DESIGN

A forte relação entre design, empresa e o aperfeiçoamento da marca

Confira as diversas áreas de atuação do design e como ele pode intensificar a marca do seu negócio, aumentar as vendas e fidelizar os clientes.

O que é design?
  • Áreas de atuação

Design é uma atividade que busca soluções criativas e inovadoras para atender as necessidades do cliente e da empresa, de forma sintonizada com as demandas e oportunidades do mercado. O objetivo é estabelecer qualidades multifacetadas de objetos e serviços, considerando fatores como materiais, ergonomia, aplicações planas e não planas.

O termo “design” abrange diversas áreas. Neste conteúdo, mostraremos características e detalhes de alguns tipos de design para você. Confira.

Áreas de atuação
  • O que é design?
  • Estratégias de venda

Design de ambientes

O design de ambientes trabalha com ações de planejamento e arranjo de ambientes e espaços individuais da micro e pequena empresa (MPE) ou coletivos urbanos, de acordo com padrões de estética, funcionalidade e satisfação do cliente, paisagismo e arquitetura. Ao contratar um serviço de design de ambientes, o empresário poderá ter acesso a:

  • Diagnósticos
  • Projetos visuais
  • Disposição e distribuição de móveis
  • Plantas baixas
  • Objetos e acessórios
  • Projetos arquitetônicos
  • Máquinas

 Tudo isso para tornar a empresa mais atrativa esteticamente e funcionalmente.

O design de ambientes faz, ainda, o planejamento de espaços, postos e estações de trabalho, chão de fábrica, ponto de venda, vitrines, feiras e eventos, recepção, áreas de circulação, iluminação, sinalização, confecção de maquetes e execução de oficinas de trabalho.

Design de loja

Apesar de não haver uma definição única do que é design de loja, pode-se dizer que, de maneira geral, é a habilidade de realizar o mapeamento e a concepção dos pontos de contato entre cliente e marca, a fim de a garantir uma exposição consistente e sedutora desta última ao primeiro. Uma consultoria na área pode incluir, por exemplo, a adequação da comunicação visual para as diferentes necessidades do ponto de venda, treinamento dos funcionários e até mesmo padronização do atendimento.

Atribuições de um designer de loja

Os designers de loja são os responsáveis tanto pela boa apresentação dos produtos como pela comunicação comercial de uma marca. Ou seja, este profissional deve ser capaz de analisar os temas e conceitos propostos pela marca como um todo, e assim tomar decisões relacionadas a apresentação das peças, vitrines, expositores, displays, combinações, produção dos manequins, aplicações da identidade visual, música, entre outros elementos.

Em suma, é preciso tornar tangível os valores de uma marca para que o consumidor compreenda o valor do produto oferecido ali. 

Seja um único designer ou uma equipe multidisciplinar a desenvolver esse trabalho, o profissional, que geralmente não está envolvido na rotina de vendas, pode ter um contato direto com a gerência para obter informações que auxiliem o seu trabalho, como números da movimentação, margens, descontos e informações de vendas. Embasado nestes dados, o designer de loja tem condições de traçar as melhores estratégias para atingir os resultados pretendidos nas vendas.


Design de comunicação

É a área que trabalha com atividades necessárias para a construção de mensagens diretas e indiretas ao público-alvo, em sua maioria para comercialização e divulgação de produtos e serviços. Esse tipo de design abrange vários meios de comunicação e mídias, como:

  • Design gráfico
  • Design de embalagem
  • Identidade visual e corporativa
  • Design da informação e editoria
  • Design de superfície (criação de imagens bidimensionais), de estamparia
  • Design digital (web, interação, games)
  • Sinalização, tipografia, material promocional e de divulgação


Design de produto

A área de design de produto trabalha com atividades direcionadas à concepção, criação e produção de objetos tridimensionais. Ela planeja e concebe mobiliário, joias, têxtil e confecção, calçados, objetos de uso pessoal, utensílios domésticos e de decoração, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, iluminação, acessórios de construção civil, transportes, mobiliário urbano, máquinas e ferramentas, jogos e brinquedos, material esportivo, produtos médico-hospitalares, entre outros.

Design de serviços

Esse tipo de design tem por objetivo tornar o serviço prestado consistente, fácil de usar do ponto de vista do cliente, diferenciado do ponto de vista do fornecedor e coerente com a estratégia da empresa. A área contempla a elaboração de diagnósticos, planos de implantação, acompanhamento de projetos, planejamento e execução de oficinas de trabalho.

Estratégias de venda
  • Áreas de atuação
  • Exemplos de sucesso

Quando se trata de explicitar a oferta aos clientes de forma emocional e convincente, existem quatro eixos de recursos estratégicos a serem trabalhados.

Estratégia e organização de ofertas: consiste em separar os produtos em famílias, temas, cores, materiais, estilos etc., para criar uma lógica de organização que permita a leitura rápida e fácil do que está sendo exposto.

Gestão: para determinar produtos que terão maior visibilidade, com base em dados e cálculos, de forma a otimizar as vendas, aumentar as ofertas para o consumidor e aproveitar bem o espaço disponível.

Sedução: criação de uma personalidade presente no ponto de venda.

Comunicação: para mostrar, no ambiente todo, a identidade criada para o negócio por meio de fotos, músicas, objetos, vitrines e outros.


Boas práticas

Dizer aos clientes o que a marca é e o que faz não é simples, mas algumas práticas básicas podem ajudar pequenos empreendedores a encantar e se comunicar com seu público de forma mais eficiente. Confira:

Mantenha tudo limpo e organizado sempre: lojas, gôndolas, produtos, uniformes. Não fazer isso é garantir que seu cliente tenha uma péssima impressão e provavelmente não volte.

Faça a precificação correta para todas as suas ofertas: um cliente que não consegue saber o valor de um produto de forma direta provavelmente não vai perguntar e, muito menos, comprar. É ainda uma obrigação prevista por lei.

Crie e respeite uma setorização eficiente: é importante relacionar os diferentes tipos de produto conforme seu uso e as demandas dos clientes dentro da loja.

Seja claro e sedutor nas ofertas de produtos: de forma que o consumidor se sinta atraído pela exposição.

Destaque as peças em promoção: valorize-as por meio de recursos como displays, banners, cartazes e outros recursos visuais.

Crie uma identidade consistente para a comunicação e respeite-a: um exemplo comum de deslize é o uso de tags e etiquetas que não dialogam entre si ou com a marca, aplicadas na urgência de se atualizar a precificação.

Nunca deixe gôndolas vazias: sob o risco de transmitir a impressão de descaso ou até mal desempenho do empreendimento.

Promova um atendimento excepcional: mesmo que isso não esteja tão relacionado diretamente ao merchandising, a qualidade nas interações com os clientes é o ponto de partida para a sobrevivência de qualquer negócio.

Exemplos de sucesso
  • Estratégias de venda

Pequenas empresas que não param de crescer

Confira exemplos de empresas de diferentes regiões do país que mostram como vale a pena inovar e investir em design. Entre os resultados, estão a expansão da clientela e do faturamento.

Signus Vitae

Um desses exemplos é a empresa Signus Vitae, de Volta Redonda (RJ), que atua no setor de produção e comercialização de sementes e mudas florestais nativas e na execução de serviços ambientais, como reflorestamento de áreas degradadas.

Desde sua criação, em 2007, já comercializou sementes para 6 milhões de árvores. Seus clientes são indústrias, governos e organizações não governamentais. O proprietário, Luiz Carlos Busato, conta que procurou o apoio do Sebrae em 2010 com o objetivo de buscar uma embalagem adequada para as sementes, que tivesse todas as informações sobre as espécies e instruções necessárias para o plantio e cultivo. Desde então, a empresa ganhou prêmios no Brasil e no exterior com a embalagem inovadora e aumentou em mais de 80% o volume de comercialização de sementes.

Além do design de embalagem, as empresas também podem investir, por exemplo, em design de produtos e serviços, elaboração ou reformulação de marca e identidade visual, bem como em um novo planejamento de espaço físico. A inovação pode trazer resultados como o aumento de competitividade e a expansão da clientela e do faturamento.

Uzinga

A empresa Uzinga, de Campo Grande (MS), contou com a ajuda do Sebrae para o design de seu site, que entrou no ar em janeiro de 2011.

“Era a parte mais difícil para viabilizar nossa proposta: atuar com crowdsourcing, processo de criação coletiva de produtos. No site, temos um sistema online de votação de artes de designers do Brasil e de outros países. As ideias vencedoras são produzidas, o vencedor é remunerado e recebe royalties de 5% do produto comercializado na nossa loja virtual e no atacado”, diz Fernando Rodrigues, que criou a empresa com o sócio, Danilo Jovê.

Com dois anos de mercado, a Uzinga já recebeu, em um mês, 1,5 mil artes de designers do mundo todo, com grande participação do eixo Rio-São Paulo.

Ômega Design

Já a indústria paranaense de móveis corporativos e voltados para a área educacional, Ômega Design, modificou todo o layout do seu espaço físico.

“Os departamentos são indicados por cores. Colocamos sinalizadores no chão e mudamos o roteiro de produção”, afirma Camila Bueno, coordenadora de Comunicação da empresa, criada por seu pai, Marcos Bueno, em 1989. “O Sebrae tem nos apoiado também no design da linha de produtos”, acrescenta.

Segundo Camila, a inovação não para por aí. “A empresa precisa sair na frente com algum diferencial, por isso, o design é tão importante para conquistar mais clientes e ampliar a área de atuação”.

Bônus!
Entrevista

Conversamos com Gabriela Paiva, gestora do Sebrae no Rio Grande do Sul, que destacou a importância de se diferenciar para alcançar novos mercados e como anda o desenvolvimento, aplicação e procura do design em seu estado. Confira na entrevista abaixo:

O que representa, dentro do Sebrae no Rio Grande do Sul, os projetos que usam design como ferramenta?

O Sebrae-RS tem as soluções de design como algumas das maiores aliadas nas intervenções na empresa/cliente, por meio de consultorias tecnológicas. É importante destacar que o design tem possibilitado a diferenciação e a possibilidade de conquistar novos mercados pelos pequenos negócios. Maior exposição da marca, novos produtos, inserção de empresas no mercado virtual são oportunidades que o design tem proporcionado às empresas por meio do Programa Sebraetec.

O que você verificou, no tempo que atua no Sebrae, de mudanças nas empresas após implantar o design em alguma de suas áreas?

A mudança que fica mais visível para o empresário é a conquista da personalidade da empresa dele. A criação de uma identidade corporativa ou da reformulação do layout de uma loja, por exemplo, estão diretamente relacionadas à forma como o cliente do Sebrae se apresenta para os seus clientes, fator determinante nos tempos atuais para empresas de qualquer setor. O nosso próximo desafio é implementar nos pequenos negócios do Rio Grande do Sul o pensamento através da visão do Design para a condução da empresa.

Como as empresas recebem um consultor na área de design e como continua a implementação dos processos após a consultoria?

Muitas vezes os clientes solicitam um só atendimento e, após a visita do consultor, passam a visualizar outras necessidades que estão vinculadas a esta primeira demanda. E isso se deve muito à visão abrangente que os profissionais do design possuem. Uma intervenção na marca de uma empresa se consolida quando a aparência de sua loja está de acordo com os valores que o empresário quer passar ao seu cliente com a marca.

É de extrema importância a visão do profissional de design em oferecer ao empresário exatamente o que ele pode implementar, sem soluções utópicas ou muito distante da capacidade de gestão da empresa. Entretanto, é primordial o comprometimento do cliente em implementar as melhorias propostas, por isso uma grande preocupação do Sebrae/RS é o nível de intervenção estar adequado ao porte da empresa, uma vez que este é definido pelo seu faturamento.

Qual a maior demanda na área de design apresentada no Sebrae-RS, dentro das competências do Sebraetec (ambientes, comunicação, produto ou serviços)?

O que mais é demandado pelos clientes é website, nada mais que um retrato do cenário atual dos pequenos negócios: cada vez mais os empresários enxergam a importância de alcançar seus clientes por meio da internet.

Quanto o Sebrae tem mudado a forma de pensar e de atuar das empresas no Rio Grande do Sul?

O nosso empresário já se conscientizou da importância da empresa dele ter uma identidade e pensa no seu negócio como uma marca. Da mesma forma, vê a importância de se relacionar com seu cliente por novos canais, através das redes sociais e dos websites, e vem atuando fortemente na internet.


Saiba mais

Para quem tem interesse em se aprofundar no assunto, o Sebrae oferece o curso virtual “Varejo de moda: o ponto de venda como experiência”, e também a oportunidade de conhecer mais sobre o Programa Sebraetec. Boa sorte, e bom trabalho!

O conteúdo foi útil para você?

  • Sim
  • Não

Enviado com sucesso! Agradecemos sua ajuda.


Compartilhe: