Wed Sep 09 19:08:15 GMT-03:00 2020
Inovação
Inovação aberta pode garantir a virada de chave no ramo de alimentação
Conheça os principais desafios das empresas de alimentação e como a inovação aberta pode ser uma saída para a crise ocasionada pela covid-19.

O futuro está incerto, mas todos nós sabemos que a vida dos consumidores não será mais a mesma. Os estilos de vida sofreram impactos, e algumas das mudanças já sinalizam como será o “novo normal”.

As pesquisas concordam que o consumidor está atento à solidariedade das marcas com a sociedade e com o planeta. Como os serviços de alimentação estão garantindo um impacto positivo?

Dados indicam, também, que o principal receio do consumidor no momento de escolher onde se alimentar é com a saúde e segurança. Os cuidados no preparo e nos serviços de entrega já foram redobrados?

Delivery e take-out são uma opção viável. Mas nem todos os consumidores são adeptos de aplicativos ou estão atentos às suas redes sociais. O que os serviços de alimentação estão fazendo para se aproximarem do cliente?

É preciso aproveitar que, segundo a Kantar, 65% dos consumidores querem jantar fora de casa com outras pessoas como uma das primeiras atividades quando a crise acabar. E, enquanto isso não acontece, é o momento de começar a se reinventar.

A disrupção está batendo à porta, e as empresas mais inovadoras têm saído na frente nessa batalha. São inúmeras as frentes que demandam inovação no ramo de alimentação, e alguns dos problemas que estão em busca de solução, são:

Reduzir os custos o máximo possível e ter fluxo de caixa:

  • Como renegociar prazos e valores de contratos com firmeza e consistência;
  • Como reduzir a equipe por meio de férias, banco de horas, redução de jornada e suspensão de contratos, permitidas pela MP 936;
  • Como otimizar a operação;
  • Como obter crédito.

 

Como gerenciar o estoque de alimentos:

  • Como gerenciar os perecíveis (realizando pré-preparos e porcionamentos congelados para ganhar prazo de validade);
  • Como rever o cardápio ofertado e facilitar a escolha do consumidor, comunicando com clareza seus produtos e serviços;
  • Como dar foco em segmentos compatíveis com a demanda do seu cliente: combos para jantares especiais (compra ocasional); refeições familiares de baixo custo (compra do dia-a-dia); alimentos congelados (ex. marmitas, sopas); e produtos do tipo rotisserie (ex. assados, massas, tortas).

 

Reforçar as boas práticas de fabricação:

  • Como estender esses cuidados fornecedores e entregadores;
  • Como comunicar esses cuidados com o cliente e demonstrar higiene no contato pessoal e nas embalagens.

 

Conhecer as modalidades de compra e venda:

  • Como compreender os meios que seu cliente está disposto a utilizar;
  • Como utilizar plataformas ou aplicativos especializados;
  • Como fazer uso canais mais convencionais (como WhatsApp e telefone);
  • Como avaliar se atuará com entrega via aplicativo, parceiro logístico local ou equipe própria, prezando pela economia e segurança.

 

Reforçar parcerias:

  • Como se unir a fornecedores, como pequenos produtores locais;
  • Como sensibilizar clientes sobre a importância de apoiar o pequeno negócio;
  • Como agregar produtos diferenciados de parceiros locais ao cardápio.

 

Atrair a clientela:

  • Como realizar venda antecipada (vouchers), como paliativo de curto-prazo;
  • Como realizar parcerias com empresas visando descontos no delivery/retirada para os funcionários;
  • Como oferecer promoções de fidelização;
  • Como personalizar o produto e incluir mimos para os clientes;
  • Como oferecer pacotes para aniversários e outras datas especiais;
  • Como realizar novas formas de interação (ex. redes sociais e materiais compartilháveis), para manter um relacionamento com o consumidor.

 

Replanejar o negócio:

  • Como avaliando qual é o maior diferencial competitivo do negócio;
  • Como antecipar qual deverá ser o modelo de atuação no pós-crise.

 

Não é fácil para o empreendedor parar suas atividades do dia-a-dia e exercitar a inovação em tantas frentes. Para isso, existe a inovação aberta: os desafios são lançados, e pessoas que amam resolver problemas se unem para encontrar as soluções! Depois, cabe ao empreendedor ficar atento a essas oportunidades e sair à frente com as inovações propostas.

Há alguns eventos importantes nesse sentido sendo organizados, como o Sancathon Food Service 2020.

E também a própria empresa pode, individualmente, provocar um movimento de inovação aberta, com sua equipe, clientes, universidades locais, etc.!

Por Mayra Viana – Unidade de Competitividade

Saiba mais

> O conceito de inovação aberta

Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora