this is an h1

this is an h2

Mon Nov 29 15:18:36 BRT 2021
Empreendedorismo | ATITUDE EMPREENDEDORA
Com apoio do Sebrae, Priscila transformou o hobby em escola de costura

Com mais três professoras e dois assistentes, a empresária começou a produzir vídeos para o YouTube para alcançar mais pessoas

· 07/04/2021 · Atualizado em 29/11/2021

"O Sebrae me ajudou a me preparar para esse momento em que estou agora. O aprendizado que eu tive ao longo desses anos foi muito importante."

Ainda na adolescência, Priscila Rodrigues adorava reformar e personalizar suas roupas. Como fazia à mão, nem sempre o resultado era satisfatório e muitas vezes acabava estragando as peças. Vendo seus erros e acertos, sua mãe lhe deu uma máquina de costura. 

O presente mudou a vida da jovem, que até então nunca tinha pensado em aprender a costurar. Ela se apaixonou tanto pela atividade que largou até a faculdade de Relações Internacionais para se dedicar exclusivamente à costura.

Começou fazendo necessaires para si mesma e depois passou a vender para os amigos que se interessavam pelas peças. Logo recebeu a primeira grande encomenda de cem bolsas. O lucro foi bom, pois gastava R$ 2 e vendia as peças por R$ 12.  Com o dinheiro que recebeu, comprou uma máquina de costura industrial.  

Convencida de que aquele era o caminho profissional que desejava seguir, formalizou-se como microempreendedora individual (MEI) e se dedicou a se aperfeiçoar no ofício. Para aprender, desmanchava roupas e as costurava de novo. Depois aprendeu costura avançada e fez um curso de modelagem. Enquanto isso, as encomendas só cresciam.

"O Sebrae ajudou na parte de planejamento, organização, estabelecimento de metas e em toda a área administrativa. Desde o ambiente da escola ao atendimento ao cliente, e todo o conhecimento administrativo. Você chega sem saber nada e as portas vão se abrindo."

Após o curso de modelagem, passou a dar aulas no Senai, e os alunos começaram a pedir cursos de costurava avançada, que não eram oferecidos. A partir desse estímulo, decidiu ministrar cursos livres.

Para tirar a ideia do papel, alugou uma quitinete e abriu uma escola em sociedade com uma amiga, que não deu certo e fechou. No entanto, as alunas insistiam em ter aulas com Priscila.

Como ela não tinha condição de financiar uma nova escola, as alunas fizeram uma vaquinha e emprestaram R$ 600 à professora. Ela diz que não tinha noção de como gerir um negócio na época e buscou no Sebrae o conhecimento necessário.

"Com o Sebrae, aprendi a importância de estar preocupada com o cliente a todo momento, desde ter uma entrada bonita e música boa. As pessoas não vêm aqui só ter uma aula, vêm viver uma experiência."

Como não podia contratar um arquiteto, a empresária mesma fez toda a decoração da escola a partir de muita pesquisa e do reaproveitamento de materiais. Precisou se virar como pintora e fez o papel de parede com moldes de costura.

Quando Priscila abriu a Escola Vestida de Sonhos, ela trabalhava sozinha. Agora, há mais três professoras e dois assistentes. O número de alunos também cresceu e hoje são 90 ao todo. Para chegar a mais pessoas ainda, a empresária começou a fazer vídeos no YouTube após observar o crescimento da procura por esse tipo de capacitação. Sua meta agora é investir mais nesse segmento e expandir as atividades da escola.

Site: Escola Vestida de sonhos

Facebook: vestidadesonhoss

Região Norte

Região Nordeste

Região Centro-oeste

Região Sul

Região Sudeste


O conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado!

Foi um prazer te ajudar :)

Precisa de ajuda?

Nós temos especialistas prontos para atender você e o seu negócio de forma online e gratuita.

Acesse agora