ac am rr pa ap ma pi ce rn pb pe al se ba to mt ro ms go df mg es rj sp pr sc rs
  • RSRio Grande do Sul
  • SCSanta Catarina
  • PRParaná
  • SPSão Paulo
  • MSMato Grosso do Sul
  • RJRio de Janeiro
  • ESEspírito Santo
  • MGMinas Gerais
  • GOGoiás
  • DFDistrito Federal
  • BABahia
  • MTMato Grosso
  • RORondônia
  • ACAcre
  • AMAmazonas
  • RRRoraima
  • PAPará
  • APAmapá
  • MAMaranhão
  • TOTocantins
  • SESergipe
  • ALAlagoas
  • PEPernambuco
  • PBParaíba
  • RNRio Grande do Norte
  • CECeará
  • PIPiauí
menu Sebrae

Cursos e Eventos

Cursos e Eventos presenciais

Confira a programação do Sebrae no seu estado e inscreva-se já.

Cursos Online

Matricule-se nos cursos online 100% gratuitos e estude sem sair de casa.

Thu Jan 31 10:27:22 GMT-03:00 2019
Mercado e Vendas
Indicação geográfica e valorização comercial da Central Juruá
Indicação Geográfica e a Valorização Comercial da Central Juruá e da Farinha de Cruzeiro do Sul.
Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

Você certamente já ouviu falar dos vinhos do Vale dos Vinhedos, saboreou um queijo Canastra ou já fez um bom pirão com a farinha de Cruzeiro do Sul. Pois saiba que a relação entre esses produtos e seu local de origem é reconhecida oficialmente pelas Indicações Geográficas, processo este que se constitui em uma das formas especiais de proteção aos produtos, e o que lhes atribui reputação, valor intrínseco e identidade própria, além de distingui-los em relação aos seus similares disponíveis no mercado.

No Estado do Acre, a Central Juruá (Central das Cooperativas de Produtores Familiares do Vale do Juruá) é a primeira no Brasil a obter a concessão do registro de reconhecimento outorgado pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial – INPI na modalidade Indicação de Procedência para o produto Farinha de Mandioca (RPI 2433 de 22 de Agosto de 2017). Este documento garante que as cooperativas integrantes possam usar o selo de Indicação Geográfica (IG) e registrar nos rótulos do produto a expressão “Indicação de Procedência Cruzeiro do Sul”.

Buscando determinar o sucesso da instituição na gestão da IG, a Central Juruá, em parceria com o Sebrae, Embrapa, Seaprof, Universidade Federal do Acre (Ufac) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre (Ifac), realizou uma série de reformulações, criando estratégias organizacionais, financeiras e comerciais para a venda da farinha em mercado nacional, almejando grandes redes de varejo, além de aspirar ao mercado internacional.

Sob esse aspecto, ao analisar a contribuição econômica da Indicação Geográfica na valorização comercial da Central Juruá, Germano Gomes, presidente da entidade, enfatiza que após um ano de concessão do registro, foi possível contabilizar o crescimento das vendas, a agregação de valor e da demanda pelo produto, principalmente via empórios e grandes restaurantes nacionais, além de potencializar o retorno de aproximadamente 36% dos produtores associados inativos para as atividades das cooperativas. Esse movimento reflete diretamente no aumento e disponibilidade de produção para comercialização via cooperativa e agregação de renda dos cooperados. Germano afirma ainda, que além da elevação dos preços de venda da farinha, obteve-se um maior interesse de outros empreendimentos, principalmente os ligados ao turismo, o que demonstra de forma clara que a Indicação Geográfica vem sendo uma alternativa para o desenvolvimento territorial e para o crescimento do comércio local.

Murielly Nóbrega, Analista I e gestora do projeto Cadeia de Valor da Mandiocultura - Sebrae no Acre

Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Converse online com o Sebrae

Tire suas dúvidas em tempo real e receba dicas sobre os seus negócios
diretamente dos nossos especialistas em pequenas e microempresas.
Um serviço gratuito para você.

Converse agora