Empreendedorismo
A Economia Criativa e o Sebrae em Alagoas
Conheça os conceitos, aspectos e os detalhes da Economia Criativa, bem como as ações do Sebrae em prol desse segmento.
  • Conceitos
  • Segmentos e empresas
  • Alagoas e o Sebrae

Conceitos

Certamente você já ouviu alguma informação referente ao termo “Economia Criativa”, possivelmente se perguntou sobre o que seria essa tal “economia” e para quê ela serve.

Pois bem, agora é a sua chance de ir além desses questionamentos e conhecer um pouco mais sobre a Economia Criativa, bem como descobrir o que ela abrange e seus respectivos benefícios para os empreendedores e toda a população Brasileira.

O que é Economia Criativa?

A economia criativa é todo negócio que tem a criatividade como matéria prima, o principal insumo desse segmento é o capital intelectual, cultural e a criatividade das pessoas.

Temos como exemplo uma artesã que consegue moldar um determinado material e torná-lo um item único, ou seja, ela está utilizando o seu talento e transformando-o em um produto ou serviço que possibilitará a obtenção de lucro.

Artesã alagoana Maria Corá

Ainda nesse contexto, podemos visualizar, como outro, exemplo a venda de obras de arte, essas que são realizadas desde muito tempo atrás, e que movimentam o comércio por meio de um produto resultante do capital intelectual pertencente à pessoa que esteve envolvida na confecção da peça.

Obras dos artistas alagoanos Levy da Paz, Adriana Jardim e Persival Figueiroa

Portanto, em suma, a economia criativa se dá quando há o uso da criatividade e seus afins para gerar novos produtos e serviços e trazendo lucro a quem produz. É basicamente a transformação de um talento em um ativo econômico.

Vale ressaltar que a Economia Criativa não possui apenas exemplos voltados às artes plásticas e afins, na verdade os nichos pertencentes a ela são abundantes, veja a seguir os demais segmentos.

Segmentos e empresas

Segmentos da economia criativa

Cada nicho comporta determinadas especificações referentes a cada atividade em especial, de acordo com a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), há 13 segmentos que pertencem à Economia Criativa, confira. 

Arquitetura, Artes Cênicas, Audiovisual, Biotecnologia, Design, Editorial, Expressões Culturais, Moda, Música, Patrimônio e Artes, Pesquisa & Desenvolvimento, Publicidade & Marketing e TIC.

Fluxograma da Cadeia de Indústria Criativa no Brasil

Após visualizar os segmentos da Economia Criativa, clique aqui e veja na íntegra o último mapeamento sobre o assunto, que foi realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

Se você chegou a este ponto do texto, provavelmente deve ter conhecido novas informações sobre a Economia Criativa, e viu que seus segmentos e a maneira com a qual ela funciona são deveras importante para a geração de empregos e renda.

É importante mencionar que cada nicho supracitado pode funcionar em harmonia com outros nichos, em várias situações haverá um intercâmbio de informações que proporcionará um trabalho em conjunto, como por exemplo, a produção de um filme, na qual ocorre a confecção de conceitos voltados às artes gráficas, computação, edição de vídeo, trilha sonora, artes plásticas voltadas aos cenários e figurinos, enfim, uma gama de atividades diversas. Além disso, junto ao exemplo, ainda há uma movimentação econômica no ato da venda da reprodução do filme e outros afins.

Por isso, essa movimentação criativa em todas as instâncias anteriormente citadas são de grande importância para a sociedade, por meio delas ocorrem vários processos que geram lucratividade para os envolvidos. Continue a leitura e confira o próximo tópico, você vai gostar.

Como as empresas podem se encaixar nos segmentos da Economia Criativa?

Já que você visualizou diversas informações importantes sobre o nosso tema, saiba que há uma resposta pertinente para o questionamento feito acima. Porém, antes disso é necessário saber que há diferentes tipos de enquadramento quando falamos de “empresa”, portanto, aqui iremos nos ater a dois fatores importantes, a pessoa jurídica em geral e noutro ponto sobre a pessoa física.

Para estar em um dos segmentos da Economia Criativa é necessário que a empresa tenha o capital intelectual como insumo principal, além disso, esse capital intelectual precisa ser transformado em um ativo econômico, a partir disso a empresa pode ser classificada como uma atividade da Economia Criativa. Pois a criatividade por si só não gera ativos, ela tem que ser transformada ou materializada para que possa gerar um valor econômico e atender “dores” de clientes através de suas funcionalidades e soluções.  

Após essa orientação é necessário compreender que, a maioria dos indivíduos que trabalha nos nichos da Economia Criativa é informal. Esta é uma característica que acomete grande parte do nosso país, e isso é algo que acarreta alguns problemas para o setor, pois, caso surjam projetos de fomento aos segmentos e/ou oportunidades de contratação por outras empresas, por exemplo, os informais desses nichos poderão ficar de fora. Por esses e outros motivos é necessário que os empreendedores deem um passo a frente e se formalizem, além de receber inúmeros benefícios, isso ajudará na contabilização e estatísticas para o desenvolvimento de vantagens em prol da Economia Criativa.

Alagoas e o Sebrae

A Economia Criativa em Alagoas

Em Alagoas, no ano de 2017, o SEBRAE realizou um estudo voltado ao mapeamento da Economia Criativa no estado.

O estudo realizado considerou número de empresas formais e as possibilidades de oportunidades de mercado oriundas do adensamento existente e elencou alguns setores que foram considerados relevantes para ações e políticas públicas de apoio em Alagoas. São eles:

  • Audiovisual
  • Design e Moda
  • Digital
  • Expressões Culturais

Em Alagoas, de acordo com a FIRJAN, a Economia Criativa correspondeu, em 2017, a 0,8% do PIB de Alagoas, o que representou cerca de R$ 425 milhões.

Sebrae e a Economia Criativa

No contexto nacional, o Sebrae atua em parceria com diversas empresas e instituições que auxiliam a Economia Criativa, veja abaixo algumas delas. 

  • Apro - Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais.
  • Abragames - Associação Brasileira dos Desenvolvedores de Jogos Digitais.
  • Bravi - Brasil Audiovisual Independente.
  • ABMI - Associação Brasileira da Música Independente.
  • Ancine - Agência Nacional do Cinema.
  • BMA - Brasil music exchange.
  • BGD - Brasil Games Developers.
  • Brazilian Content.
  • BNDES - Cultura e economia criativa.
  • EraTransmídia.
  • IAB - Instituto Alvorada Brasil.
  • Idea - Instituto de Direito, Economia Criativa e Artes.
  • Playbor.- Aceleradora de games

Fonte: Sebrae Nacional

Em Alagoas, a grande parceira do Sebrae é a Fundação de Amparo a Pesquisa (Fapeal). Essa parceria trouxe soluções por meio de edital que têm como objetivo financiar – através de recursos de subvenção econômica (não reembolsáveis) – o desenvolvimento de bens e serviços de conteúdo cultural/criativo inovadores, no âmbito dos setores culturais/criativos.

Confira as notícias sobre os editais e essa parceira.  Acesse os links abaixo. 

Além das parcerias firmadas, o SEBRAE disponibiliza para você diversas soluções, tais como palestras, oficinas, cursos EAD e consultorias.

Baseado no ensejo do âmbito alagoano, é importante mencionar que, no corrente ano (2020) foi realizado um estudo sobre os impactos que a pandemia da Covid-19 causou para a Economia Criativa.  Para conferir todas as informações na íntegra, acesse o link abaixo.

Por fim, esperamos que você tenha conhecido um pouco mais sobre a economia criativa e seus afins. Lembre-se, o Sebrae está disponível para auxiliar você em sua jornada empresarial.

Para ter acesso a essas e outras iniciativas do Sebrae, o empresário pode entrar em contato por meio do 0800 570 0800 ou pelo nosso WhatsApp, caso deseje Converse online, por chat ou e-mail, com os técnicos do Sebrae para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio. É gratuito!


O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora