ac am rr pa ap ma pi ce rn pb pe al se ba to mt ro ms go df mg es rj sp pr sc rs
  • RSRio Grande do Sul
  • SCSanta Catarina
  • PRParaná
  • SPSão Paulo
  • MSMato Grosso do Sul
  • RJRio de Janeiro
  • ESEspírito Santo
  • MGMinas Gerais
  • GOGoiás
  • DFDistrito Federal
  • BABahia
  • MTMato Grosso
  • RORondônia
  • ACAcre
  • AMAmazonas
  • RRRoraima
  • PAPará
  • APAmapá
  • MAMaranhão
  • TOTocantins
  • SESergipe
  • ALAlagoas
  • PEPernambuco
  • PBParaíba
  • RNRio Grande do Norte
  • CECeará
  • PIPiauí
menu Sebrae

Cursos e Eventos

Cursos e Eventos presenciais

Confira a programação do Sebrae no seu estado e inscreva-se já.

Cursos Online

Matricule-se nos cursos online 100% gratuitos e estude sem sair de casa.

Tue May 12 23:21:27 GMT-03:00 2020
Empreendedorismo
Conheças as artesãs que ganharam maior visibilidade durante a crise
Quando a oportunidade chega, é melhor estar preparado! Conheça a história das artesãs Layze e Lilian que ganharam maior visibilidade durante a crise

Novo rumo, mesmo negócio!

O que poderia virar uma crise se transformou em oportunidade. As artesãs Layze Fernandes de Souza, 23, e sua mãe e sócia Lilian Oliveira Fernandes, 44, viram um ato de solidariedade se transformar em oportunidade para movimentar seu negócio durante a pandemia do novo coronavírus.  

Proprietárias da “Kurupira - Artesanatos da Amazônia”, as artesãs que trabalham na produção de bonecas e artesanatos, principalmente de feltro, perceberam logo no início das notificações da doença que o caso era sério. Para ajudar seus amigos da área de saúde e militar, mãe e filha decidiram produzir máscaras de tecido e presenteá-los para se protegerem do novo coronavírus.  

O resultado? Dezenas de pedidos através dos seus canais de comunicação para a fabricação de mais peças. “Nós distribuímos cerca de 20 máscaras e não aceitamos o pagamento. A preocupação era com a saúde deles. Três dias depois, nosso número comercial não parava de apitar e só podia ser indicação dos nossos amigos. Como tivemos a capacitação do SEBRAE/AM para ter uma visão empreendedora, aproveitamos a oportunidade para movimentar nosso negócio”, contou Layze. 

Para a filha, toda sua trajetória de capacitação no SEBRAE/AM, palestras e consultorias fizeram valer o momento. Ao ver os pedidos chegando, propôs à mãe que antes de aceitar qualquer demanda, era necessário fazer um planejamento e uma planilha de custos. Ambos resultados do aprendizado com o SEBRAE. 

“Nós sentamos e fizemos a planilha de custos direitinho que o SEBRAE nos ensinou. Colocamos os valores da produção de forma correta para sermos justas no preço. Ao chegar em um valor, decidimos que atenderíamos no varejo e atacado. E, assim, começamos a anotar os pedidos”, disse a artesã-filha.

 

A demanda foi tão grande que as empreendedoras tiveram que contratar mais duas pessoas para ajudá-las. Além de retomar com o sistema de entrega a domicílio para facilitar o acesso aos clientes. “Em quatro dias fechamos a produção de um mês e tivemos que contratar mais duas pessoas para dar conta da entrega. Para a gente é muito gratificante ver esse processo, pois além de ver o artesanato valorizado, estamos ajudando na renda de mais duas famílias. É uma questão muito maior que o dinheiro. É o reconhecimento do nosso trabalho e a oportunidade de ajudar diversas pessoas”, declarou Layze.  

Trajetória com o SEBRAE

A história das artesãs com o SEBRAE/AM remonta uma parceria de sucesso. Participantes do projeto Manaus Feito à Mão, Layze e Lilian fizeram diversas capacitações pelo programa do Serviço, que incluem Empreendedorismo, Mídias Sociais, Fotografia, Técnica de Acabamento, Tendências Criativas e vários outros.

Foi no curso de Técnicas Criativas que as artesãs se depararam com o desafio de criar peças próprias, antes produzidas com base no trabalho de outros artesãos. As sócias então tiveram uma ideia inspirada na Turma da Moranguinho e criaram as Bonecas Fruta Amazônica, bonecas de feltro baseadas em frutas regionais.

“Nunca tínhamos imaginado criar algo nosso. E graças ao incentivo da Jucelma Coutinho, no curso de Técnicas Criativas do SEBRAE, a gente pôde realmente conhecer o que é o mercado do artesanato e criar nossas próprias peças. Foi um start maravilhoso”, relembra Layze da época.

As artesãs ainda puderam contar com a ajuda do SEBRAE/AM para participar da primeira feira nacional de suas trajetórias. E a próxima meta é levar seus trabalhos para uma feira internacional. “Foi na Feira Nacional de Artesanato, em Belo Horizonte, que lançamos o nome Kurupira - Artesanatos da Amazônias. Até isso o SEBRAE fez a gente ver que é preciso resgatar nossa regionalidade e nossa cultura e colocar identidade nos nossos produtos”, contou Layze. 

Além de remeter o trabalho na criação de peças regionais, a escolha do nome Kurupira é para homenagear o guardião da floresta que, diferente do que pensam, não é uma criatura má ou bagunceira, mas um cuidador das plantas e dos animais. As artesãs ainda criaram uma peça do curupira, que é um grande sucesso de vendas. 

Passos futuros

Por enquanto, as artesãs têm planos de continuar com sua produção de máscaras. Segundo Layze, 80% da demanda atual está na fabricação de máscaras, mas ainda há procura pelas bonecas tradicionais do negócio. O contato com os novos clientes possibilitou que a Kurupira - Artesanatos da Amazônia tivesse maior visibilidade do seu trabalho. 

Com o capricho de suas máscaras e os elogios dos clientes, Layze e Lilian aproveitam para mostrar seus outros trabalhos e conseguir novas encomendas. E o cuidado com o cliente, para as artesãs, é primordial! Além de oferecerem produtos minimamente trabalhados, mãe e filha procuram ter zelo em cada etapa do trabalho, desde a montagem até a entrega.

“Nós somos muito perfeccionistas com nosso trabalho. As máscaras, por exemplo, temos o cuidado em não deixar nenhum fio solto. Higienizamos com álcool, passamos o ferro quente e embalamos cada uma em um saquinho plástico que leva o adesivo da nossa logo. Também entramos em contato com o cliente na hora que o motoboy sai para a entrega e enviamos uma mensagem quando o produto já está em mãos”, explica Layze.

A artesã-filha também está aproveitando o trabalho para dar um up nas redes sociais e trabalhar a divulgação dos produtos. “Eu escolhi ser artesã, escolhi fazer arte com as mãos, escolhi me reinventar a cada produto que crio, escolhi ser empreendedora. E eu amo o que faço!”, declarou Layze na sua rede social. 

Você pode conferir mais do trabalho das artesãs amazonenses através do perfil @kurupira.am no Instagram. 

SEBRAE e você

O sonho de abrir um negócio e se tornar seu próprio chefe pode estar mais perto do que os amazonenses imaginam. É preciso, somente, ter a ajuda certa para trilhar seu caminho. O SEBRAE/AM oferece informação, orientação e consultorias para as pessoas que desejam começar sua empresa.

Assim como as artesãs Layze e Lilian, o desenvolvimento de soluções criativas e uma nova visão para as oportunidades só é possível quando os futuros empreendedores se permitem vivenciar o aprendizado desse curioso mundo que é o empreendedorismo.

E está tudo ao seu alcance! Para procurar informações de como abrir uma empresa, basta entrar em contato com o SEBRAE/AM através do Atendimento online ou do número 0800 570 0800. Você ainda pode aproveitar para navegar no nosso conteúdo e ter mais conhecimento sobre empreendedorismo e gestão financeira, além de materiais e cursos de forma gratuita acessando Ideias e Negócios.

Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora