Apresentação

Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender

Quem não se encanta com um espaço bem estruturado, confortável, e que se traduz em beleza em cada um dos detalhes do projeto, onde os elementos se combinam em cores, iluminação e definição de espaços? O vidro nos últimos anos tornou-se um elemento indispensável para compor esses projetos de forma harmônica e com uma infinidade de variações estéticas. Utilizado para as várias funções na ambientação de casas, escritórios, ou mesmo de lojas comerciais. O negócio de vidraçaria está relacionado à ambientação com conforto, funcionalidade e beleza. A história do vidro inicia-se em 5.000 a.C., por acidente, quando mercadores fenícios fundiram por acaso nitrato de sódio e areia gerando um líquido transparente. Somente por volta de 100 a.C. os romanos iniciaram a indústria do vidro desenvolvendo a técnica de sopro em moldes. Atualmente o vidro é composto basicamente por areia (sílica), calcário, barrilha, alumina e corante, no qual para os vidros comuns a areia representa cerca de 70% do total. De fato, o crescimento do mercado nacional de vidros planos, muitas vezes com taxas superiores ao desenvolvimento do país, além de criar um parque de oportunidades, torna o mercado muito mais competitivo. Isto faz com que as vidraçarias tenham que se profissionalizar para poder enfrentar a concorrência e ofertar ao seu público produtos e serviços com maior valor agregado. Nesta Ideia de Negócio estarão descritos os principais aspectos necessários para o empreendedor montar uma vidraçaria, ou seja, um estabelecimento onde se corta e comercializa vidros, espelhos, cristais, peças de arte feitas em vidro e etc. Dependendo do interesse do empreendedor, também podem ser realizados trabalhos específicos de jateamento, laminação e pintura. Esse segmento permite uma linha com grande variedade de produtos, que abrange desde o vidro de utilização mais comum, até vidros especiais, como é o caso dos vidros blindados. O mercado pode ser divido em pessoa física e pessoa jurídica. No mercado de pessoa física encontra-se uma variedade muito ampla de segmentos que podem ser atendidos, desde a pessoa física proprietária de imóvel que está em fase de construção ou manutenção, até os que envolvem projetos especiais. No segmento de pessoa jurídica pode-se considerar as construtoras, que adquirem produtos em grande quantidade, além de condomínios habitacionais, lojas comerciais, fábricas, empresas de arquitetura e ambientação, empresas públicas, autarquias e outros segmentos.

Este documento não substitui um plano de negócio. Para elaborá-lo procure o Sebrae.

Mercado

Em 2006, segundo dados do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, a capacidade instalada da indústria do vidro no Brasil era de 3,1 milhões de toneladas, sendo que vidro plano, vidro para embalagem e vidro para uso doméstico representaram 90% desse total. A maior demanda por produtos de vidro é dada pelo setor de construção civil (em sua maioria, vidro temperado), seguido das indústrias automobilística (basicamente, vidro laminado), moveleira/decoração e de eletrodomésticos. A expansão atual do mercado de vidraçarias se deve, principalmente, ao aumento do poder aquisitivo, impulsionado pelas facilidades que as novas políticas de crédito vêm proporcionando, e também ao crescimento do setor da construção civil no Brasil, que possibilita a realização de investimentos maiores em novas construções e reformas. Em conseqüência do aquecimento das vendas do setor imobiliário, cresce paralelamente o mercado de decoração que, aliado aos avanços tecnológicos, transformaram o vidro em elemento de diferenciação e inovação para os artigos de construção e acabamento. Devido a características como estética, qualidade, design, transparência, resistência, variedade de cores, leveza, segurança, a cada dia surgem novas formas e possibilidades de uso para este material, nos mais variados tipos de projetos comerciais e residenciais. O principal mercado das empresas de vidraçaria é, geralmente, o de pequenas obras e reformas, uma vez que em obras de maior porte, as compras tendem a ser realizadas diretamente nas grandes fábricas. Ou seja, para uma pequena vidraçaria, predomina a maior quantidade e variedade de pedidos com menores valores. Como exemplo de serviços prestados de grande quantidade e menor valor estão os cortes de vidro comum para quadros e preparação de espelhos. É importante ressaltar que, nesse setor, muitos negócios são fechados por meio do contato direto com arquitetos, fabricantes de móveis, engenheiros, decoradores e profissionais do ramo da construção civil e vidreiro. Razão pela qual é fundamental manter um contato muito próximo com esses profissionais. De fato, na indústria da decoração e da engenharia, a utilização dos vidros se destaca por representar alternativas simples e práticas, com grande vantagem para fornecer soluções estéticas de maneira eficaz. No entanto, é importante ressaltar que, no Brasil, o padrão de consumo de produtos de vidro é segmentado por região, independente das condições econômicas de cada localidade. Segundo dados do BNDES, os fabricantes do setor estimam taxas de crescimento anuais em torno de 8%, acompanhando o crescimento previsto da construção civil e da economia como um todo. A indústria de vidro deve se beneficiar também do crescimento de novos mercados que vêm aumentando a utilização dos componentes de vidro em seus produtos, como é o caso dos setores moveleiro e de eletrodomésticos. O mercado consumidor das vidraçarias está se tornando cada vez mais exigente em termos de concorrência, qualidade e garantia dos produtos oferecidos. Por isso os empreendedores precisam se planejar e buscar a melhoria contínua dos materiais utilizados, bem como dos métodos de instalação e montagem de vidraçarias. Segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho o segmento de comércio denominado outros serviços especializados para construção alcançou em janeiro de 2011 um estoque de 161.556 empregos formais, representando uma evolução de 45,61%, relativo a janeiro de 2007. Em meio a toda essa evolução do setor, o cenário indica que os próximos anos serão de crescimento, ampliando cada vez mais as oportunidades para o empreendedor que desejar estabelecer-se com o negócio de vidraçaria.

Continue lendo sobre em

Localização

A localização de uma vidraçaria é fator muito importante para o negócio e deve estar alinhada com a estratégia, de acordo com o perfil da clientela. Uma boa localização é aquela que favorece o acesso das pessoas, com o menor grau possível de dificuldade. Uma vidraçaria deverá estar instalada próximo ao local de residência do público-alvo, ou em locais de grande freqüência de público como em Shopping ou outros locais de grande fluxo de pessoas, que favoreça o estacionamento de veículos e possua boas condições ambientais para uma permanência agradável da clientela. É aconselhável, também, que o local escolhido esteja nas regiões onde há previsão de construções de residências, novos loteamentos, grandes áreas comerciais, ou ainda nas proximidades de empresas de construção e arquitetura. É importante verificar ainda, a proximidade com residências, pois o ruído gerado na produção das vidraçarias pode gerar incômodo aos vizinhos. O local escolhido deve fornecer toda a infra-estrutura necessária para atender às necessidades de operação que uma vidraçaria exige, como espaço adequado para armazenar os vidros, perfis de alumínio e insumos com segurança, facilidade de acesso, existência de transporte coletivo para que clientes e funcionários possam se deslocar, estacionamento, e ainda possibilitar possíveis expansões do negócio. O local deve permitir, com facilidade, o acesso de caminhões para carga e descarga dos produtos, facilitando o recebimento das mercadorias adquiridas e o escoamento dos produtos vendidos. Deve ser observado ainda se as atividades a serem desenvolvidas no local respeitam o plano diretor e a lei de zoneamento do município. A localização é um componente fundamental do composto mercadológico e pode definir o sucesso ou fracasso do empreendimento, razão pela qual, merece atenção especial na sua definição.

Exigências Legais e Específicas

É necessário contratar um contador profissional para legalizar a empresa nos seguintes órgãos: - Junta Comercial; - Secretaria da Receita Federal (CNPJ); - Secretaria Estadual de Fazenda; - Prefeitura Municipal, para obter o alvará de funcionamento; - Enquadramento na Entidade Sindical Patronal em que a empresa se enquadra (é obrigatório o recolhimento da Contribuição Sindical Patronal por ocasião da constituição da empresa e até o dia 31 de janeiro de cada ano); - Caixa Econômica Federal, para cadastramento no sistema “Conectividade Social – INSS/FGTS”; - Corpo de Bombeiros Militar. O SEBRAE local poderá ser consultado para orientação.

Estrutura

A estrutura de uma vidraçaria é bastante simples, composta basicamente por uma área de atendimento com showroom, área para corte e processamento dos pedidos, uma área para depósito, além de um pequeno escritório para administração. A área de atendimento e showroom deve possibilitar a exposição dos diversos tipos de vidros ofertados e proporcionar bem-estar ao cliente. O escritório da administração pode ser pequeno, bastando um espaço que seja suficiente para a realização das atividades básicas de relacionamento com fornecedores, registros e controles sobre o negócio.

Pessoal

A quantidade de profissionais está relacionada ao porte do empreendimento. Para uma vidraçaria de pequeno porte, que comercialize e preste serviço de colocação de vidros, pode-se começar com oito empregados, distribuídos da seguinte forma: - 01 técnico; - 02 montadores; - 01 auxiliar de montagem; - 01 auxiliar de limpeza; - 01 auxiliar administrativo; - 02 atendentes. As contratações dos colaboradores e o treinamento para atendimento de qualidade devem ser orientados pelas competências descritas a seguir: - Técnico: Esse profissional deve possuir conhecimento sobre projetos de ambientação, além de ser profundo conhecedor das diversas soluções que podem ser implementadas, a partir da variedade da linha de produtos ofertados. Deverá ainda ter noções de configuração espacial, saber realizar cálculos, coletar medidas, preparar orçamentos, ser organizado, comunicativo e compromissado com a satisfação do cliente. - Atendente: Deve ser um profissional-chave na empresa, pois a ele caberá o primeiro contato com os clientes para levantamento das necessidades e identificação do serviço a ser realizado, registrando a demanda do cliente e enviando um técnico para fazer o levantamento in loco, que subsidiará a elaboração do orçamento e proposta. Esse profissional deve ter facilidade de comunicação, boa postura pessoal, ser capaz de dispensar atendimento de excelência ao cliente, gerar confiança e conduzir o processo de venda. - Auxiliar de limpeza: Deve saber manusear equipamentos de limpeza, ter noção da importância da higiene e limpeza no relacionamento com a clientela, além de demonstrar interesse e comprometimento com a qualidade dos serviços prestados. - Montador: Deve ter experiência em manuseio de vidros e equipamentos para corte e preparo para montagem e/ou instalação. Deve aplicar os princípios de segurança no trabalho, evitando acidentes e proporcionando um serviço de qualidade. Deve ser organizado, responsável e comprometido com a satisfação do cliente, cumprindo prazos e dispensando um tratamento respeitoso e cordial. - Auxiliar de montagem: Deve saber preparar e organizar os diversos insumos que serão utilizados no processamento das peças de vidro, manusear ferramentas e equipamentos e saber realizar os pequenos serviços de cortes de vidro comum e espelhos. Deve ser organizado, ter iniciativa, conhecimento das características de cada produto utilizado e sua funcionalidade. - Auxiliar administrativo: Deve ser capaz de realizar as atividades básicas relacionadas a registros sobre o relacionamento com clientes, fornecedores, colaboradores, controles financeiros e bancários, operando sistemas tecnológicos apropriados para esse fim, além de demonstrar habilidade de relacionamento interpessoal e comprometimento com a qualidade dos serviços prestados pela empresa. A apresentação pessoal dos empregados da loja também é fator de grande importância nesse negócio, sendo aconselhável o uso de uniforme e fardamento adequado aos colaboradores, de acordo com as características de cada setor. É necessário cuidado especial com o manejo dos vidros, porque é uma atividade de alta periculosidade. Investir constantemente no aperfeiçoamento dos colaboradores através de cursos, palestras, workshops que são oferecidos no mercado, ou em atividades de desenvolvimento realizadas na própria empresa, deve ser preocupação permanente do empreendedor. O empresário deverá participar de seminários, congressos e cursos direcionados ao seu ramo de negócio, para manter-se atualizado e sintonizado com as tendências do setor. Deve-se estar atento para a Convenção Coletiva do Sindicato dos Trabalhadores no Comércio, utilizando-a como balizadora dos salários e orientadora das relações trabalhistas, evitando, assim, conseqüências desagradáveis.

Equipamentos

São necessários os seguintes móveis e equipamentos: Mobiliário para a área administrativa - Cadeiras 4 – R$ 400,00; - Estante/armário 1 – R$ 1.350,00; - Impressora 1 – R$ 300,00; - Mesas 2 – R$ 700,00; - Microcomputador completo 2 – R$ 2.400,00; - Telefone 2 – R$ 100,00; Total mobiliário: R$ 5.250,00. Equipamentos e móveis para a área de atendimento e processamento: - Computadores 2 – R$ 2.400,00; - Impressora de cupom fiscal 2 – R$ 1.580,00; - Gaveteiro para guardar numerário 2 – R$ 460,00; - Balcão de atendimento 1 – R$ 7.200,00; - Cadeiras 8 – R$ 800,00; - Mesa de madeira para corte 2 – R$ 1.800,00; - Furadeira elétrica de impacto 2 – R$ 930,00; - Brocas diamantadas – R$ 300,00; - Canetas de corte (vídia) 3 – R$ 360,00; - Equipamentos para instalação – R$ 1.000,00; - Furadeira para vidro 1 – R$ 700,00; - Furadeira para vidro duplo 1 – R$ 900,00; - Lixadeira para vidro 1 – R$ 600,00; - Instrumentos de medição – R$ 200,00; - Mesa de apoio forrada com carpet (2m x 3m) – R$ 1.300,00; - Equipamentos de proteção individual (botas, capacetes, luvas, máscaras respiratórias, óculos, protetor auricular, etc.) – R$ 1.340,00; - Estante/armário 5 – R$ 1.750,00; - Veículo utilitário de pequeno porte – a critério 1 – R$ 30.000,00; Total dos equipamentos: R$ 53.620,00.

Continue lendo sobre em

Matéria Prima/Mercadoria

A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho:
Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado.
Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão.
Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa

A matéria prima utilizada numa vidraçaria é representada pelos diversos tipos de vidros, fechaduras, dobradiças, laminados, molduras, outros insumos utilizados nas montagens de produtos e/ou nas instalações, além dos demais produtos que o empreendedor decidir ofertar na loja. A quantidade de tipos de vidros disponível do mercado é elevada, como por exemplo: vidro comum, temperado, impresso, refletivo, laminado, aramado, termo-acústico, duplo com cristal líquido, etc. A vidraçaria descrita nesse material foi estruturada para trabalhar com vidro comum e temperado, bem como espelhos planos. Cabe ressaltar que a oferta de corte de espelhos não é o foco do negócio, mas serve para completar o mix de produtos. O vidro comum, geralmente, é comprado em chapas. Sendo que, nas indústrias brasileiras, é produzido em chapas de diversos tamanhos e espessuras, as quais são entregues às vidraçarias para serem cortadas conforme a necessidade do cliente. Em relação ao vidro temperado, o processo é diferente, pois todos os trabalhos de corte, furação, lapidação e têmpera são realizados nas chamadas têmperas. Ou seja, o vidraceiro envia o projeto para estas empresas de têmpera, para serem confeccionados conforme a necessidade do cliente, e posteriormente entregues novamente na vidraçaria para serem instalados. Como o vidro representa a maior parte do custo, deve-se evitar o desperdício de matéria- prima ao realizar o corte das chapas e outros insumos usados durante o processo produtivo, pois este aspecto pode ser a diferença entre o lucro ou o prejuízo. Também deve haver um cuidado especial com os insumos utilizados para colocação e fixação dos vidros, como por exemplo, perfis de alumínio, dobradiças, molas para portas de vidro temperado, silicone para vedação, buchas e parafusos. Para a definição dos produtos a serem oferecidos o empresário deverá pesquisar junto a profissionais do ramo, ouvir potenciais clientes, observar a concorrência e decidir por um mix que poderá sofrer ajustes e mudanças no decorrer do tempo.

Organização do Processo Produtivo

Os processos produtivos de uma vidraçaria são constituídos de: Compra de matéria-prima – É responsável pela pesquisa de fornecedores que comercializam por atacado os itens que serão utilizados na vidraçaria. É fundamental realizar periodicamente pesquisa de interesse do cliente para disponibilizar vidros e outros produtos de acordo com as tendências. Essas pesquisas orientam o processo de compra.

Atendimento ao cliente – ocorre na empresa, por telefone, por e-mail, por preenchimento de ficha no site e pode ocorrer no próprio local do serviço. A visita ao showroom pode ocorrer após a visita técnica, quando o cliente ainda não tem muito bem definido o modelo do projeto quanto às variações da solução desejada, ou quando deseja visualizar outras possibilidades para o projeto. Após o primeiro contato o atendente agenda com o cliente a visita do técnico para conhecimento do projeto ou do serviço, dando início ao orçamento e proposta. A maioria dos contatos à vidraçaria ocorre por telefone e por essa razão é recomendável que os atendentes tenham um bom preparo para iniciar um bom relacionamento, logo no primeiro contato. Atendimentos na loja devem ser realizados com presteza, segurança e rapidez. Todos os atendimentos devem estar focados na satisfação do cliente.

Visita técnica – tem a função de conhecer a necessidade do cliente, entender o que ele deseja, orientar e fornecer informações complementares, coletar as dimensões da(s) peça(s) de vidro que serão utilizadas, discutir a melhor solução para o projeto e apresentar proposta e orçamento com os custos efetivos, prazos de realização do serviço e a forma de pagamento. Realização do serviço – após a aprovação da proposta o serviço será realizado, demandando o corte dos vidros e a preparação dos demais produtos e insumos a serem utilizados no projeto, sendo essa uma etapa crucial para o sucesso do empreendimento. Existem situações em que a matéria prima ainda precisa ser adquirida e a têmpera do vidro confeccionada. Depois de prontas, a empresa agenda a visita dos montadores para a montagem e instalação do projeto no local desejado pelo cliente, quando então as peças de vidro produzidas são levadas ao cliente no local onde são montadas e instaladas. Como se trata de um material frágil, o transporte dos vidros deve ser feito por meio de um veículo adequado, que possa acomodar o material com a devida fixação e o mínimo de vibração possível. Esta é uma etapa que exige bastante atenção, para que seja evitada a devolução de mercadorias em função de falhas de comunicação ocorridas durante a negociação. Para os pequenos serviços de corte de vidro comum e espelhos, o processo é mais simples e realizado na presença do cliente. É importante ressaltar que um projeto bem feito ajuda a diminuir os desperdícios de matéria-prima e, conseqüentemente, os custos de produção com compras realizadas fora do orçamento. Estoque – Será necessário manter um nível de estoque para garantir o fluxo de atendimento. O empreendedor deverá tomar cuidado para não manter níveis exagerados de estoque. O acondicionamento dos produtos deverá ser feito de forma adequada para evitar perdas, uma vez que os vidros oferecem altos riscos de quebras. Pós-venda – Acompanhamento e assistência após a realização do serviço, enviando comunicações de interesse do cliente e mantendo o relacionamento com o objetivo de realizar outros serviços, por conta da fidelização. Administração – Destina-se às atividades de relacionamento com fornecedores, controle de contas a pagar, atividades de recursos humanos, controle financeiro e de contas bancárias, acompanhamento do desempenho do negócio e outras que o empreendedor julgar necessárias para o bom andamento do empreendimento. Ao longo de todo o processo, o empresário deve estar sempre atento na compra de materiais de acordo com a sazonalidade da demanda, estocagem de maneira adequada e na quantidade correta, vendas direcionadas e nos controles financeiros para o correto dimensionamento dos recursos investidos. É importante salientar que, para evitar que pessoas transitem ao longo da área de produção de forma desorganizada e que produtos sejam transportados desordenadamente, aumentando o risco de acidentes e o tempo de produção, o arranjo físico dos equipamentos deve ser adequado de maneira a seguir a orientação do fluxo produtivo.

Automação

Os processos de uma vidraçaria são realizados manualmente. No entanto, para a gestão do negócio há no mercado uma boa oferta de sistemas para gerenciamento de pequenos negócios. Para uma produtividade adequada, devem ser adquiridos sistemas que integrem as compras, as vendas e o financeiro. Os softwares possibilitam o cadastro de clientes e fornecedores, histórico de serviços prestados a cada cliente, controle de estoque de material, equipamentos, ferramentas, orçamento, cronograma físico financeiro, serviço de mala-direta para clientes e potenciais clientes, cadastro de móveis e equipamentos, gerenciamento de serviços dos empregados, controle de comissionamento, controle de contas a pagar e a receber, fornecedores, folha de pagamento, fluxo de caixa, fechamento de caixa etc. Deve-se procurar softwares de custo acessível e compatível com uma pequena empresa. Pesquisas nos principais sites de busca indicarão uma grande variedade de softwares destinados à gestão integrada dos diversos setores de uma MPE. O empresário poderá optar por download de sistemas sem custo, com custo mensal, com valor fixo, podendo incluir custo de assistência técnica e customização. Para a busca na internet basta pesquisar “Sistemas de Gestão Empresarial” e avaliar as alternativas apresentadas. Sugestão de Fonte: www.sebrae.com.br www.administradores.com.br

Canais de Distribuição

O principal canal de distribuição é a própria vidraçaria. É bastante comum o cliente fazer contato com a empresa e solicitar visita. Por essa razão, o empresário deverá estar preparado para que ele e todos os técnicos que realizam visitas técnicas estejam de posse de calculadora, trena, caneta, papel, catálogos de produtos e outros materiais que poderão ajudar na realização do projeto. Em algumas situações os clientes poderão ser atendidos em outros locais, como: nos intervalos de trabalho de outras empresas, em restaurantes e etc. O desenvolvimento de um site na internet com divulgação dos projetos realizados pela empresa, depoimento dos clientes e fotografia das peças instaladas (desde que autorizadas previamente) é uma poderosa arma de marketing. Através do site, e-mail, ou através das redes sociais, o cliente poderá fazer contato com a empresa, preencher cadastro, agendar atendimento personalizado, solicitar orçamentos, e avaliar a qualidade dos serviços prestados. A internet é uma opção de contato com o cliente muito importante nos dias atuais e que pode ser um canal vigoroso de vendas, desde que possua uma boa estrutura, design apropriado e acompanhamento adequado.

Investimento

Investimento compreende todo o capital empregado para iniciar e viabilizar o negócio até o momento de sua auto-sustentação. Pode ser caracterizado como: - investimento fixo – compreende o capital empregado na compra de imóveis, equipamentos, móveis, utensílios, instalações, reformas etc.; - investimentos pré-operacionais – são todos os gastos ou despesas realizadas com projetos, pesquisas de mercado, registro da empresa, projeto de decoração, honorários profissionais e outros; - capital de giro – é o capital necessário para suportar todos os gastos e despesas iniciais, geradas pela atividade produtiva da empresa. Destina-se a viabilizar as compras iniciais, pagamento de salários nos primeiros meses de funcionamento, impostos, taxas, honorários de contador, despesas de manutenção e outros. Para a atividade de uma vidraçaria de pequeno porte o empreendedor deverá dispor de aproximadamente R$ 107.370,00 para fazer frente aos seguintes itens de investimento: - Mobiliário para a área administrativa – R$ 5.250,00; - Reforma e/ou adaptação de instalações – R$ 20.000,00; - Equipamentos e móveis para área de atendimento e processamento – R$ 53.620,00; - Despesas de registro da empresa, honorários profissionais, taxas etc. - R$ 3.500,00; - Capital de giro para suportar o negócio nos primeiros meses de atividade – R$ 25.000,00.

Capital de Giro

Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa.
O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e prazos médios concedidos a clientes (PMCC).
Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa.
Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão-de-obra, aluguel, impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa.
Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem maiores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos). Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa venha a ter problemas com seus pagamentos futuros.
Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão.

No caso de uma vidraçaria, o empresário deve reservar em torno de 30% do total do investimento inicial para o capital de giro.

Custos

São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente ao preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas e insumos consumidos no processo de estoque e comercialização. O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos na compra, produção e venda de produtos ou serviços que compõem o negócio, indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio. Abaixo estão descritos os principais custos fixos mensais típicos de uma Vidraçaria. 1. aluguel – R$ 1.800,00; 2. água, luz, telefone, internet – R$ 800,00; 3. salários, comissões e encargos – R$ 12.200,00; 4. taxas, contribuições e despesas afins – R$ 340,00; 5. transporte – R$ 1.830,00; 6. refeições – R$ 2.440,00; 7. seguros – R$ 320,00; 8. assessoria contábil – R$ 600,00; 9. segurança – R$ 400,00; 10. limpeza, higiene e manutenção – R$ 520,00; 11. combustível e manutenção de veículo – R$ 1.120,00. Fonte: Cartilha da Convenção Coletiva de Trabalho 2010-2011. Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo.

Continue lendo sobre em

Diversificação/Agregação de Valor

O empreendedor deve ter em mente que agregar valor significa ampliar a satisfação do cliente, seja por serviços auxiliares que facilitam a vida das pessoas, ou pela qualidade do atendimento, demonstrando valorização a cada indivíduo, pelo respeito, atenção, interesse, compromisso e responsabilidade que cada profissional dispensa no desempenho das suas atividades. Uma das formas de diversificação é através da oferta de outros serviços agregados à vidraçaria, tais como: - Manutenção em vidros e blindex usados; - Construção de soluções termo-acústicas em vidro; - Projetos com vidros blindados para segurança; - Envidraçamento de sacada solarlux; - Oferta de acrílicos para box de banheiros e outras aplicações; - Manutenção de molas automáticas; - Profissionais especializados por segmentos; - Prazo de garantia para projeto realizado; - Oferta de pacotes para manutenção com visitas periódicas. As vidraçarias precisam investir cada vez mais em inovações e em características que, além de satisfazer as necessidades de seus clientes, sejam percebidas como superiores às demais oferecidas pela concorrência, chegando ao ponto do consumidor estar disposto a pagar mais caro pelos produtos da empresa, em relação a outras vidraçarias. Itens como cumprimento dos prazos de entrega, instalação adequada do artigo de vidro e preço, deixaram de ser diferenciais e tornaram-se pré-requisitos. Um fator importante que pode agregar valor ao seu produto é o acompanhamento mais próximo junto ao cliente durante e após a realização das vendas. É importante pesquisar junto aos concorrentes para conhecer os serviços que estão sendo adicionados e desenvolver opções específicas com o objetivo de proporcionar ao cliente um produto diferenciado. Além disso, conversar com os clientes atuais para identificar suas expectativas é muito importante para o desenvolvimento de novos serviços ou produtos personalizados, o que amplia as possibilidades de atração e fidelização. O empreendedor deve manter-se sempre atualizado com as novas tendências, novas técnicas, novos equipamentos e produtos, através da leitura de colunas de jornais e revistas especializados, programas de televisão ou através da Internet. Ouvir os clientes e detectar suas aspirações e expectativas é muito importante para orientar a oferta de novos serviços. Atendimentos personalizados, em horários especiais ou em locais alternativos, que facilitem a vida do cliente e ofereçam comodidade podem agregar valor e fazer diferença. Caso a vidraçaria direcione seu foco para o atendimento a obras de maior porte, é importante disponibilizar a estes clientes, suporte técnico com objetivo de orientar na definição da melhor solução para o cliente.

Divulgação

Os meios para divulgação de uma vidraçaria variam de acordo com o porte e o público-alvo escolhido. Para um empreendimento de pequeno porte, pode ser usada a distribuição de informativos junto aos clientes que procuram à empresa. Outras alternativas são os anúncios em jornais de bairro, revistas locais e propaganda em rádio. Neste ramo de atuação o “boca-a-boca” se caracteriza como um poderoso instrumento de divulgação para os produtos oferecidos. Os veículos da empresa são uma excelente alternativa de divulgação e também, dependendo do nível de conservação e limpeza, podem expressar confiabilidade para o cliente. Veículos com a marca da empresa estampada, em péssimo estado de conservação, podem impactar negativamente na imagem da vidraçaria. A divulgação através de site na internet deve ser considerada, pois o acesso de pessoas à rede cresce permanentemente e em larga escala. Na medida do interesse e das possibilidades, poderão ser utilizados anúncios em jornais de grande circulação, revistas e outdoor. Se for de interesse do empreendedor, um profissional de marketing e comunicação poderá ser contratado para desenvolver campanha específica.

Informações Fiscais e Tributárias

O segmento de VIDRAÇARIA, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) 4743-1/00 como a atividade de exploração de comércio varejista de vidros e outros acessórios correlatos, poderá optar pelo SIMPLES Nacional - Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de Pequeno Porte), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) para micro empresa R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei.

Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.f azenda.gov.br/SimplesNacional/):

• IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica);
• CSLL (contribuição social sobre o lucro);
• PIS (programa de integração social);
• COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social);
• ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços);
• INSS (contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal).

Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, variam de 4% a 11,61%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período.

Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS.

Se a receita bruta anual não ultrapassar a R$ 60.000,00 (sessenta mil reais), o empreendedor, desde que não possua e não seja sócio de outra empresa, poderá optar pelo regime denominado de MEI (Microempreendedor Individual) . Para se enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 - Anexo XIII (http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/resolucao/2011/CGSN/Resol94.htm ). Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores fixos mensais conforme abaixo:

I) Sem empregado
• 5% do salário mínimo vigente - a título de contribuição previdenciária do empreendedor;
• R$ 1,00 mensais de ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias;

II) Com um empregado: (o MEI poderá ter um empregado, desde que o salário seja de um salário mínimo ou piso da categoria)

O empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes percentuais:
• Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração;
• Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado.

Havendo receita excedente ao limite permitido superior a 20% o MEI terá seu empreendimento incluído no sistema SIMPLES NACIONAL.

Para este segmento, tanto ME, EPP ou MEI, a opção pelo SIMPLES Nacional sempre será muito vantajosa sob o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias.

Fundamentos Legais: Leis Complementares 123/2006 (com as alterações das Leis Complementares nºs 127/2007, 128/2008 e 139/2011) e Resolução CGSN - Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011.

Eventos

Feira Internacional da Construção - Construir Evento: anual Local: edições na Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro www.feiraconstruir.com.br Feira Internacional da Indústria da Construção, Habitação e Acabamento – Constru Brasil Evento: anual Local: Brasília - DF www.feiraconstrubrasil.thsfeiras.com.br Simpovidro Evento: bianual Local: em cidades diferentes a cada ano. www.simpovidro.com.br Feira Internacional da Construção – Construsul Evento: anual Local: Porto Alegre – RS www.suleventos.com.br\feiraconstrusul Feira de Produtos para Construção Civil e Mercado Imobiliário – Construfair SC Evento: anual Local: Florianópolis – SC www.construfairsc.com.br Feira Internacional do Vidro - Vitech Evento: bianual Local: Centro de Exposições Imigrantes - São Paulo-SP www.feiravitech.com.br Feira Nacional do Vidro, Alumínio, Molduras e Cia - FENAVID Evento com várias edições durante o ano Local: realizada em cidades diferentes durante o ano www.fenavid.com.br Seminário Soluções Acústicas em Vidro – Vidrosom Evento: anual Local: em cidades diferentes a cada ano www.janelasacusticas.com.br\vidrosom Feira Internacional de Tecnologia e Design em Vidro – Glass South America Tecnologia & Design Evento: anual Local: São Paulo - SP www.glassexpo.com.br Feira Internacional da Indústria da Construção – FEICON BATIMAT Evento: anual Local: Parque de Exposições do Parque Anhembi - São Paulo - SP www.feicon.com.br Feira Internacional de Revestimentos - Expo Revestir Evento: anual Local: Transamérica Expo Center – São Paulo – SP www.exporevestir.com.br

Continue lendo sobre em

Entidades em Geral

Relação de entidades para eventuais consultas. Associação Nacional de Vidraçarias - Anavidro Rua 13 de maio 911, Bela Vista – São Paulo - SP CEP 01327-000 (11) 2778-2282 www.anavidro.com.br Associação Brasileira de Processadores e Distribuidores de Vidro Plano - Abravidro Rua Monte Alegre, 61, conj. 111, Perdizes – São Paulo –SP CEP 05014-000 (11) 3873-9908 www.abravidro.com.br Procurar na localidade Sindicato do Comércio Varejista. Alguns Fornecedores / Fabricantes Mogk Ind. e Com. de Máquinas Ltda Rua 2 de setembro, 2877, Itoupava Norte – Blumenau – SC CEP 89052-002 (47) 3323-5844 www.mogk.com.br Metasil Sanding Machine Rua Cristal, 100, Distrito Industrial – Indaiatuba – SP CEP 13347-100 (19) 3935-8822 www.metasil.com.br Vidromax Rua Soldado José Reymão, 470, Parque Novo Mundo – São Paulo – SP CEP 02178-040 (11) 2635-1555/ 2635-1559 www.vidromax.com.br Use Mak Máquinas para Processamento de Vidro Plano Av. Rotary, 565, Vila Maria – Diadema – SP (11) 4056-1667/ 4056-2609 / 4043-2122 www.usemak.com.br Super 5 Tecnologia em Ferragens para Vidro www.super5.com.br Eletromóveis Martinello Avenida Goiás, 1682-S, Bairro Alvorada - Lucas do Rio Verde - MT (65) 3549-1331 www.martinello.com.br Office Móveis Rua Jacques Felix, 319, Centro – Taubaté - SP CEP 12020-060 (12) 3621-3604 www.officemoveis.com.br Obs.: Pesquisa na internet indicará outros fornecedores de equipamentos e produtos para vidraçaria, que poderão estar localizados mais próximos ao local de instalação do negócio.

Normas Técnicas

Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2).

Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa, universidade e pessoa física).

Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País.

1.Normas específicas para a Vidraçaria:

ABNT NBR 14697:2001 - Vidro laminado.

Esta Norma especifica os requisitos gerais, métodos de ensaio e cuidados necessários para garantir a segurança e a durabilidade do vidro laminado em suas aplicações na construção civil e na indústria moveleira, bem como a metodologia de classificação deste produto como vidro de segurança.

ABNT NBR 14698:2001 - Vidro temperado.

Esta Norma especifica os requisitos gerais, métodos de ensaio e cuidados necessários para garantir a segurança, a durabilidade e a qualidade do vidro temperado plano em suas aplicações na construção civil, na indústria moveleira e nos eletrodomésticos da linha branca. Também fornece a metodologia de classificação deste produto como vidro de segurança.

ABNT NBR 16015:2012 - Vidro insulado — Características, requisitos e métodos de ensaio.

Esta Norma estabelece as características, requisitos e métodos de ensaio de vidro insulado plano utilizado em construção civil e unidades de condicionamento térmico e/ou acústico.

ABNT NBR ISO 695:2009 - Vidro - Resistência ao ataque por uma solução aquosa fervente de mistura de álcalis - Método de ensaio e classificação.

Esta Norma especifica um método para determinação da resistência da vidraria ao ataque por uma solução aquosa fervente de carbonato de sódio e hidróxido de sódio.

ABNT NBR NM 293:2004 - Terminologia de vidros planos e dos componentes acessórios a sua aplicação.

Esta Norma estabelece os termos aplicáveis a produtos de vidro plano em chapas e acessórios usados na construção civil.

ABNT NBR NM 295:2004 - Vidro aramado.

Esta Norma tem por objetivo especificar as dimensões e requisitos mínimos de qualidade em relação aos defeitos óticos, de aspecto e do arame metálico do vidro aramado.

ABNT NBR NM 294:2004 - Vidro float.

Esta Norma tem por objetivo estabelecer as dimensões e requisitos de qualidade (em relação aos defeitos óticos e de aspecto) do vidro plano float, incolor e colorido, destinados aos mercados de arquitetura e decoração. Também estabelece a sua composição química e suas principais características físicas e mecânicas.

ABNT NBR NM 298:2006 - Classificação do vidro plano quanto ao impacto.

Esta Norma estabelece a classificação de produtos de vidro plano, os requisitos e os métodos de ensaio para o vidro plano ser considerado como vidro de segurança.

ABNT NBR 7199:1989 - Projeto, execução e aplicações de vidros na construção civil.

Esta Norma fixa as condições que devem ser obedecidas no projeto de envidraçamento em construção civil.

ABNT NBR 16259:2014 Versão Corrigida:2014 - Sistemas de envidraçamento de sacadas — Requisitos e métodos de ensaio.

Esta Norma estabelece os requisitos e métodos de ensaio que asseguram o desempenho dos sistemas de envidraçamento de sacadas, em edificações de uso público ou privado.

ABNT NBR 14207:2009 - Boxes de banheiro fabricados com vidros de segurança.

Esta Norma especifica os requisitos mínimos, em termos de segurança, para os materiais utilizados no projeto e na instalação de boxes de banheiro fabricados a partir de painéis de vidro de segurança para uso em apartamentos, casas, hotéis e outras residências.

ABNT NBR 14718:2008 - Guarda-corpos para edificação.

Esta Norma especifica as condições mínimas de resistência e segurança exigíveis para guarda-corpos de edificações para uso privativo ou coletivo.

2.Normas aplicáveis na execução de Vidraçaria:

ABNT NBR 15842:2010 - Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos gerais.

Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam satisfazer as expectativas do cliente.

ABNT NBR 12693:2013 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio.

Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para combate a princípio de incêndio.

ABNT NBR 5410:2004 Versão Corrigida: 2008 - Instalações elétricas de baixa tensão.

Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.

ABNT NBR ISO IEC 8995-1:2013 - Iluminação de ambientes de trabalho - Parte 1: Interior.

Esta Norma especifica os requisitos de iluminação para locais de trabalho internos e os requisitos para que as pessoas desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, com conforto e segurança durante todo o período de trabalho.

ABNT NBR 5419-1:2015 - Proteção contra descargas atmosféricas -Parte 1: Princípios gerais.

Esta Parte da ABNT NBR 5419 estabelece os requisitos para a determinação de proteção contra descargas atmosféricas.

ABNT NBR 5419-2:2015 - Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 2: Gerenciamento de risco.

Esta Parte da ABNT NBR 5419 estabelece os requisitos para análise de risco em uma estrutura devido às descargas atmosféricas para a terra.

ABNT NBR 5419-3:2015 - Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida.

Esta Parte da ABNT NBR 5419 estabelece os requisitos para proteção de uma estrutura contra danos físicos por meio de um SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas - e para proteção de seres vivos contra lesões causadas pelas tensões de toque e passo nas vizinhanças de um SPDA.

ABNT NBR 5419-4:2015 - Proteção contra descargas atmosféricas - Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura.

Esta Parte da ABNT NBR 5419 fornece informações para o projeto, instalação, inspeção, manutenção e ensaio de sistemas de proteção elétricos e eletrônicos (Medidas de Proteção contra Surtos - MPS) para reduzir o risco de danos permanentes internos à estrutura devido aos impulsos eletromagnéticos de descargas atmosféricas (LEMP).

ABNT NBR IEC 60839-1-1:2010 - Sistemas de alarme - Parte 1: Requisitos gerais - Seção 1: Geral

Esta Norma especifica os requisitos gerais para o projeto, instalação, comissionamento (controle após instalação), operação, ensaio de manutenção e registros de sistemas de alarme manual e automático empregados para a proteção de pessoas, de propriedade e do ambiente.

ABNT NBR ISO 20345:2015 - Equipamento de proteção individual - Calçado de segurança.

Esta Norma especifica requisitos básicos e adicionais (opcionais) para calçado de segurança utilizado para propósitos gerais. Inclui, por exemplo, riscos mecânicos, resistência ao escorregamento, riscos térmicos e comportamento ergonômico.

ABNT NBR 13712:1996 - Luvas de proteção.

Esta Norma estabelece os princípios gerais para a padronização de luvas de proteção confeccionadas em couro ou tecido.

Glossário

Ergonomia: Estudo das interações entre pessoas e elementos de uma empresa que visa melhorar a qualidade de vida das pessoas e o seu desempenho no trabalho. Glazing: É o tipo de fachada em que se utilizam vidros colados com silicone estrutural em caixilhos especiais. Então, pelo lado de fora do ambiente, o que se vê são apenas os vidros sem a interferência de caixilhos ou molduras. Lapidação: É o tratamento que o vidro recebe nas bordas, evitando possíveis ferimentos e conferindo certa dose de resistência ao vidro. É a lapidação também que garante um aspecto diferenciado ao produto final. Após passar por este processo, o vidro pode ser utilizado em tampos de mesa, móveis, prateleiras, etc. Mosaico: Técnica artesanal a frio. Consiste em colar peças de vidro em placa rígida que serve como base. Pele de vidro: Sistema de fachada. Primeiramente, as colunas são instaladas e depois, aplicam-se os quadros de alumínio e vidros. Portfólio: É o conjunto de trabalhos ou produtos e serviços oferecidos por uma empresa. Sistema de envidraçamento da sacada: Composto por painéis de vidro, que possui, entre outras características, abertura total ou parcial dos painéis de vidro, várias possibilidades de formas e ângulos de abertura, ampla visão e proteção contra intempéries. Sistema Grid: Originalmente, era essa a concepção das fachadas cortinas. Tem colunas aparentes que estruturam a fachada. As travessas horizontais também são aparentes. São reconhecidas por apresentar linhas horizontais e verticais ao observador externo. Sistema unitizado: é o mais moderno sistema de fachada no Brasil. A coluna é dividida em duas partes e, conseqüentemente, a esquadria configura-se em módulos. A montagem dos módulos é feita pelo lado interno do edifício. Spider Glass: é uma solução de envidraçamento exterior, permite a fixação dos vidros à estrutura por intermédio de ferragens especiais articuladas. Structural Glazing: Tipo de fachada cortina. É um envidraçamento estrutural com pouca ou nenhuma estrutura de aço ou alumínio. O vidro deve ser temperado, mas pode receber outro beneficiamento também. Vidro acidado: Submetido à solução ácida que age no vidro, de maneira controlada, criando texturas, desenhos e letras e promovendo um aspecto de translucidez. Pode ser fabricado artesanal ou industrialmente. Vidro anti-reflexo: Contém micro texturas impressas em uma de suas faces, conferindo ao vidro a capacidade de eliminar reflexos luminosos. Vidro aramado: Vidro impresso translúcido incolor. Nele, é colocada uma rede metálica de malha quadrada. Em caso de quebra, o vidro fica preso à rede metálica. Vidro auto-limpante: Vidro incolor no qual é colocada uma camada de mineral fotocatalítico e hidrófilo, formando, assim, uma camada protetora de longa duração. É esta camada que impede o acúmulo de sujeira na superfície do vidro. Vidro bisotado: Também chamado de biselado, recebe tratamento especial em suas bordas para evitar acidentes e trincas. É utilizado principalmente na indústria moveleira. Vidro blindado: Vidro multilaminado, que protege contra disparos de armas de fogo. É fabricado através de um processo de calor e pressão, que utiliza - intercaladamente - duas ou mais lâminas de vidro, polivinil butiral (PVB) ou resina, poliuretano e lâminas de policarbonato. Vidro colorido: Existem três formas de produção industrial de vidro colorido: aplicação de aditivos na massa; deposição de camada refletiva e laminação de película plástica colorida. Vidro comum: Vidro com baixa resistência e fácil manipulação, utilizado basicamente em porta retratos e janelas. Vidro craquelado: Composto por uma camada interna de vidro temperado e duas camadas externas de vidro comum e duas lâminas de resina. Apresenta textura composta por uma infinidade de trincas que difundem a luminosidade do ambiente. Vidro Curvo: Moldado a alta temperatura, em fôrmas que se encontram dentro do forno de curvatura e resfriado. Aplicado nas indústrias automotiva, de linha branca, moveleira e construção civil. Vidro duplo ou vidro termo-acústico: Os vidros duplos (ou vidros insulados) são chamados de vidros termo-acústicos, e oferecem isolamento térmico e isolamento acústico. Vidro duplo com cristal líquido: É um vidro laminado, composto por duas chapas de vidro, entre os quais é colocado um filme de cristais líquidos em um campo elétrico. Quando este campo é ativado, os cristais líquidos se alinham, tornando o vidro transparente. Quando o campo magnético é desativado, o vidro passa a ser translúcido. Vidro extra clear: Mais claro e transparente que o padrão, pois sua massa contém menos adição de ferro. Vidro fotovoltaico: Permite a absorção da radiação solar e convertem essa energia em eletricidade. Vidro impresso: É um vidro que recebe em uma ou ambas as faces, a impressão de um desenho (padrão ou estampa). Vidro Jateado: Jatos de areia ou de pós-abrasivos formam desenhos opacos na superfície do vidro. A opacidade garante privacidade ao ambiente. Vidro laminado: O vidro laminado é um vidro constituído por duas ou mais chapas de vidro intercalado pelo plástico Polivinil Butiral (PVB). E a principal característica desse vidro, é que em caso de quebra, os cacos ficam presos ao PVB, reduzindo o risco de ferimento às pessoas e também o atravessamento de objetos. Vidro lapidado: Vidro com bordas lisas e não-cortantes, obtidas após o processo de lapidação. Pode ser utilizado em tampos de mesa, móveis, prateleiras etc. Vidro low-e (low emissivity glass): É um vidro baixo emissivo que impede a transparência térmica entre dois ambientes. Vidro monolítico: Vidro simples composto por uma única lâmina. Vidro multilaminado: Composto por mais de duas lâminas de vidro intercaladas por uma ou mais camadas de polivinil butiral (PVB) ou resina. Os vidros comercialmente chamados de antivandalismo e blindados são vidros multilaminados. Indicados para bancos, vitrinas de lojas de luxo, guaritas, veículos, etc. Vidro para piscina e aquário: São projetados para suportarem a pressão hidrostática. Os fabricantes de visores possuem um departamento técnico que orienta sobre o cálculo das espessuras a serem utilizadas em cada caso. O vidro a ser utilizado deverá ser obrigatoriamente laminado. Vidro pintado a frio: Recomendada especialmente para ambientes internos, a pintura a frio é feita com uma espécie de pistola (compressor). Vidro refletivo: É também chamado de vidro metalizado, são vidros com a finalidade de refletir os raios solares para então reduzir a entrada de calor. Vidro temperado: Vidros temperados são vidros bem mais resistentes à quebra por impacto. Apresenta uma resistência cerca de 4 vezes maior que o vidro comum. Vidro Cubas: Cubas de vidro estão sendo bastante utilizadas na decoração de lavabos e banheiros de alto padrão. Vitral: Técnica artesanal a frio para fabricação de vidro artístico. Existem dois processos: chumbo e fita de cobre. Consiste em encaixar pedaços de vidro em perfil de chumbo ou envolver os vidros com a fita de cobre e soldá-los.

Dicas de Negócio

- Investir na qualidade global de atendimento ao cliente, ou seja: qualidade do serviço, ambiente agradável, profissionais atenciosos, respeitosos e interessados pelo cliente, além de comodidades adicionais com respeito a estacionamento. - Procurar fidelizar a clientela com ações de pós-venda, como: remessa de cartões de aniversário, comunicação de novos serviços e novos produtos ofertados. - A presença do proprietário em tempo integral é fundamental para o sucesso do empreendimento. - O empreendedor deve ser criativo e ousado validando conceitos de comunicação inovadores, de forma que consiga manter o empreendimento em evidência no mercado e diante dos consumidores atuais e potenciais. - Manter-se atento para os altos riscos de acidentes que podem ocorrer em razão da fragilidade do vidro. - Conhecer bem o segmento de vidraçarias e possuir experiência nesse mercado para gerenciar seu negócio de forma estratégica. - Realizar parcerias comerciais com empresas e profissionais vinculados ao ramo da construção civil pode assegurar o crescimento sustentável do negócio.

Características

É aconselhável uma auto-análise para verificar qual a situação do futuro empreendedor frente a esse conjunto de características e identificar oportunidades de desenvolvimento. A seguir, algumas características desejáveis ao empresário desse ramo. - Ter paixão pela atividade e conhecer bem o ramo de negócio; - Pesquisar e observar permanentemente o mercado onde está instalado, promovendo ajustes e adaptações no negócio; - Ter atitude e iniciativa para promover as mudanças necessárias; - Acompanhar o desempenho dos concorrentes; - Capacidade de treinar, orientar, motivar e premiar sua equipe; - Capacidade administrativa, financeira e contábil para dimensionar o estoque da vidraçaria, negociar preços e prazos, realizar compras, pagar fornecedores e gerenciar demais recursos alocados ao empreendimento. - Saber negociar, vender benefícios e manter clientes satisfeitos; - Ter visão clara de onde quer chegar; - Planejar e acompanhar o desempenho da empresa; - Ser persistente e não desistir dos seus objetivos; - Manter o foco definido para a atividade empresarial; - Ter coragem para assumir riscos calculados; - Estar sempre disposto a inovar e promover mudanças; - Ter grande capacidade para perceber novas oportunidades e agir rapidamente para aproveitá-las; - Ter habilidade para liderar a equipe de profissionais da Vidraçaria.

Bibliografia

AIUB, George Wilson et al. Plano de Negócios: serviços. 2. ed. Porto Alegre: SEBRAE, 2000. ANDRADE, Patrícia Carlos de. Oriente-se: guia de profissões e mercado de trabalho. Rio de Janeiro: Ed. Oriente-se, 2000. BARBOSA, Mônica de Barros; LIMA, Carlos Eduardo de. A Cartilha do Ponto Comercial: Como escolher o lugar certo para o sucesso do seu negócio. São Paulo: Clio Editora, 2004. BIRLEY, Sue; MUZYKA, Daniel F. Dominando os Desafios do Empreendedor. São Paulo: Pearson/Prentice Hall, 2004. COSTA, Nelson Pereira. Marketing para Empreendedores: um guia para montar e manter um negócio. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003. DAUD, Miguel; RABELLO, Walter. Marketing de Varejo: Como incrementar resultados com a prestação de Serviços. São Paulo: Artmed Editora, 2006. DOLABELA, Fernando. O Segredo de Luisa. 14. ed. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999. FECOMERCIÁRIOS, Federação dos Trabalhadores no Comércio de São Paulo. Convenção Coletiva 2010-2011. Disponível em . Acesso em 10 de junho de 2011. KOTLER, Philip. Administração de Marketing: a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2000. PARENTE, Juracy. Varejo no Brasil. São Paulo: Ed Atlas, 2000. PORTAL ADMINISTRADORES. Sugestão de sistemas de gestão empresarial. Disponível em . Acesso em 09 de março de 2011. RATTO, LUIZ. Comercio – Um Mundo de Negócios. Rio de Janeiro: Ed. SENAC Nacional, 2004. SEBRAE. Pesquisa de softwares de gestão empresarial. Disponível em . Acesso em 09 de março de 2011 – sugestão de sistemas de gestão empresarial. SEBRAE RJ. Série Primeiro Passo Planejamento Empresarial – Vidraçaria. Rio de Janeiro: Ed Sebrae, 2010. SILVA, José Pereira. Análise Financeira das Empresas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Fonte

Não há informações disponíveis para este campo.

Planejamento Financeiro

Não há informações disponíveis para este campo.

Soluções Sebrae

Não há informações disponíveis para este campo.

Sites Úteis

Não há informações disponíveis para este campo.

URL

http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias/Como-montar-uma-vidra%C3%A7aria