EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA

Design for Change: o protagonismo do aluno

Conheça o movimento que leva crianças de todo o mundo a pensar e implementar mudanças no seu entorno. Saiba também como fazer para participar aqui no Brasil.

O que é
  • Metodologia

Preparar os jovens para futuros incertos, em um mundo onde as mudanças acontecem em ritmo acelerado, é a proposta do Design for Change, movimento global que oferece às crianças e adolescentes a oportunidade de serem mais atuantes na transformação de sua própria realidade.

O Design for Change busca auxiliar crianças e jovens a se tornarem mais sensíveis ao seu entorno, a analisarem situações que necessitam mudança, a desenhar uma potencial solução e a executar suas ideias.

O movimento foi criado pela indiana Kiran Bir Sethi, após seu filho de seis anos contar que tinha sido repreendido na escola por desenhar de maneira diferente da proposta. Kiran percebeu que era necessário mudar. O que a incomodou foi a frase da professora ao filho – “Você não tem escolha”. Kiran discordava.

Em seis anos, na Índia, o movimento gerou mais de 6 mil projetos de mudança protagonizada por estudantes em cerca de 4 mil escolas indianas. Isso ocasionou uma série de benefícios à sociedade, tais como:

  • 300 mil rúpias captadas para investimento em projetos
  • 104 mil árvores plantadas
  • 408 mil litros de água economizados
  • 1900 adultos alfabetizados
  • 100 bibliotecas criadas
  • 150 crianças retiradas do trabalho infantil e matriculadas na escola

Atualmente, o Design for Change está presente em 45 países, inspirando 2,2 milhões de estudantes.

Metodologia
  • O que é
  • No Brasil

A metodologia empregada pelo Design for Change estimula o potencial criativo das crianças, de modo a permitir que elas utilizem a imaginação e o design como ferramentas para solucionar desafios do cotidiano. Isso tudo baseado nos preceitos de Sentir; Imaginar; Fazer; Compartilhar.

A partir dos preceitos, a criança é convidada a sentir algo que a incomoda, a imaginar com os seus colegas possíveis soluções utilizando pesquisas e entrevistas, fazer com que a solução escolhida entre em prática e, por fim, compartilhar esse percurso para inspirar outras pessoas.Fonte: Criativos da Escola

Desenvolvimento de competências

Além de modificar a realidade do entorno dos estudantes, os participantes do Design for Change desenvolvem, segundo pesquisa da Universidade de Harvard, capacidades que os auxiliarão no futuro:

  • Liderança
  • Habilidades de comunicação
  • Empatia
  • Colaboração
  • Habilidades em documentar e apresentar projetos

No Brasil
  • Metodologia

No Brasil, o Design for Change foi implementado a partir da iniciativa de Carolina Pasquali em parceria com o Instituto Alana. Aqui, o movimento foi batizado de Criativos da Escola. “O que buscamos é fazer com que as crianças e os adolescentes coloquem a mão na massa, seguindo o percurso do protagonismo. O melhor? Isso já está acontecendo em mais de 400 escolas espalhadas pelo país”, conta Carolina.

Desafio

O Criativos da Escola promove anualmente um desafio que celebra e premia projetos protagonizados por crianças e jovens de todo o país que, apoiados por seus educadores, estão transformando as escolas, os alunos e suas comunidades.

Podem participar escolas e educadores de ensino fundamental e médio, públicas e privadas, que tenham projetos (em andamento ou já finalizados) com soluções criativas para transformar a realidade.

O Desafio selecionará os 11 projetos que mais se destacarem nos seguintes critérios: protagonismo, empatia, criatividade e trabalho em equipe.

O período de inscrições 7 é de 10 de abril a 01 de outubro. Participe!

Conheça algumas iniciativas vencedoras de desafios anteriores.

Embalagem para mudas

 

Tenda móvel

 

Game the last drop

Veja mais experiências aqui.