INOVAÇÃO

O turista mudou, e agora? Conheça as novas tendências nesse segmento

Hoje os clientes se relacionam de forma diferente com as empresas. Conheça os novos perfis de consumidores no turismo e mantenha o seu negócio competitivo.

  • O perfil do novo turista

A cada dia que passa mais pessoas utilizam a internet para fazer turismo, seja no momento de buscar por um destino e informações sobre o lugar, compras de passagens, pacotes, contratação de serviços diversos, que vão desde a hospedagem ao guia local, além de compartilhar experiências e dar feedbacks. Por isso, sua empresa precisa conhecer essas novas formas de interação com o turista, para traçar suas estratégias e criar diferenciais competitivos que sejam realmente valorizados por esse viajante autônomo, cada vez mais conectado.

Entender essas mudanças de comportamento e as tendências para o setor pode garantir o futuro da sua empresa, se esse conhecimento for a base para um plano de ação adequado às necessidades e sonhos do seu público-alvo.

O perfil do novo turista
  • Por onde começar?

Segundo a WTM (World Travel Market), estima-se que em 2018 2,56 bilhões de pessoas estejam conectadas na internet através de smartphones. Além disso, foram destacados outros dados relevantes:

O cliente tem se mostrado imediatista e busca serviços flexíveis, autônomos, praticidade na aquisição de produtos e serviços. A jornada do turista digital se resume em sonhar, planejar, comprar, experimentar e compartilhar. A utilização dos dispositivos móveis nos serviços de viagens também se deve à ascensão da economia compartilhada. Essa tendência se mostra atraente aos viajantes devido ao custo-benefício e às experiências únicas que propicia.

Segundo dados da PricewaterhouseCoopers (PWC), a projeção de movimentação global da economia compartilhada em 2025 é de US$ 335 bilhões.

Vocabulário do turista

Conheça alguns termos utilizados pelos turistas atualmente: 

  • Bla Bla Car: plataforma que conecta pessoas interessadas em encontrar caronas para dividir custos de viagem, atualmente a maior comunidade de caronas de longa distância do mundo.
  • Beep Me: conecta motoristas e caronas tanto para trajetos locais quanto para viagens.
  • Rent a local friend: comunidade de pessoas que amam viajar e estar em contato com diferentes culturas, e ganham dinheiro extra, partilhando o seu modo de vida e seus lugares favoritos da sua cidade com novos amigos estrangeiros.
  • Couchsurfing: rede que põe em contato viajantes, que só pedem um sofá para poupar dinheiro nas dormidas, e anfitriões dispostos a abrir as portas das suas casas a custo zero para conhecer novas pessoas.
  • Economia compartilhada: tendência nos hábitos dos consumidores, de dividir o uso (ou a compra) de serviços e produtos, em uma espécie de consumo colaborativo. Seguem alguns exemplos nas áreas de hospedagem, transporte, experiência.

  •  

    Airbnb: serviço online comunitário para as pessoas anunciarem, descobrirem e reservarem acomodações e meios de hospedagem.
  • Hostel: (albergue) tipo de acomodação que se caracteriza pelos preços convidativos e pela socialização dos hóspedes, onde cada convidado pode alugar uma cama ou beliche, num quarto partilhado, com banheiro no quarto ou no corredor, lavanderia e cozinha.

  •  

    Uber: através de um aplicativo, oferece um serviço semelhante ao táxi tradicional, conhecido popularmente como serviços de "carona remunerada", encontrando motoristas parceiros pela proximidade.

Por onde começar?
  • O perfil do novo turista
  • Escolha as redes certas

Faça pesquisas na internet para descobrir como sua empresa está posicionada, o que estão falando sobre ela e se ela aparece nos principais sites de busca e avaliação. Busque também sua cidade e identifique oportunidades.

Sites de avaliação são utilizados para buscar tarifas, opinião de consumidores e influenciam diretamente na tomada de decisão. Conheça alguns:

  • Tripadvisor: site de viagens que fornece informações e opiniões de conteúdos relacionados ao turismo. Ele também inclui fóruns de viagens interativos.
  • Booking, Trivago, Kabum, Hoteis.com, Expedia: fazem buscas de meios de hospedagens, compara tarifas, localização, fotos e características das empresas, bem como avaliação de clientes por critério.
  • Hotel Urbano: agência de viagens online, com frequentes promoções.
  • Decolar: buscador de preços de passagens aéreas.
  • Destinations on Google: a inserção da palavra “destination” ou “vacation” ao lado do nome de uma localidade ativa uma nova função do Google, que apresenta diversas informações sobre o destino. Valores médios de hotéis, clima, hora local, descritivo da cidade e pontos turísticos são algumas das informações apresentadas. As empresas do setor devem estar atentas ao que aparece para o consumidor, de forma a comparar, apresentar outras opções e informações extras sobre a região.
  • Google meu negócio: quando você digita o nome de uma empresa no Google, geralmente ao lado direito das buscas aparece uma descrição, fotos, Street View e demais informações, caso você já esteja aparecendo e não foi você quem colocou aquelas informações, sua empresa pode solicitar alteração dos dados e inserção de conteúdo, a ferramenta é inteiramente grátis.

Utilize as redes sociais a favor da sua empresa, divulgando conteúdo de interesse do turista como: programação de eventos da região, principais atrativos, vídeos, fotos, depoimentos de clientes. Aproveite para estimular o cliente a divulgar sua experiência aos amigos através das redes.

Escolha as redes certas
  • Por onde começar?

Com o Facebook e Instagram, por exemplo, você tem a opção de interagir e divulgar o seu negócio especificamente para pessoas com hábitos de viajar, pessoas que estão viajando para o local onde está seu estabelecimento, aumentando as chances de assertividade do público que compra o seu serviço. Conheça outras tecnologias que podem te ajudar a acompanhar as mudanças no segmento:

  • Geolocalização: tecnologia que possibilita identificar a localização de um dispositivo. Pode ser usado na identificação de pontos turísticos, serviços e demais atrações.
  • Realidade virtual: imersão em um ambiente a partir do uso de óculos especiais pode ser um diferencial competitivo e auxiliar no fechamento de novos negócios.
  • Uso de hashtags (palavra-chave antecedida pelo símbolo #, conhecido por "jogo da velha" ou "quadrado", que pode ser usada como ferramenta de busca na internet): elas funcionam com eficiência no Instagram e Twitter. Procure palavras que têm a ver com o seu negócio e que podem trazer novos seguidores. Procure usar as mais famosas da sua região, aquelas que a Secretaria de Estado de Turismo usa, o nome da sua cidade ou região, o nome do seu estabelecimento.

Ter seu endereço na internet, um site próprio com fotos atraentes e boa descrição do local, pode auxiliar a reforçar o que muitos dizem nas redes sociais ou ainda conflitar, caso as opiniões sejam negativas.

Apesar de as redes sociais serem uma excelente ferramenta de busca, avaliação e pesquisa, ter um site próprio é fundamental, desde que seja responsivo (adaptável à ferramenta de acesso, celular, tablete, computador) atualizado e funcional.

Com a chegada das novas tecnologias e as facilidades que a internet nos propicia, qualquer um de nós hoje pode ser um crítico gastronômico, um especialista em turismo e cada vez mais a opinião dos que viajam se torna mais válida. E, assim, o famoso marketing boca a boca ganha uma amplitude ainda maior e quase que incontrolável. Por isso é importante prestar atenção às necessidades individuais de cada cliente para aperfeiçoar o serviço, inovar constantemente e atender de forma personalizada, sempre buscando surpreendê-lo.

Leia mais sobre o assunto 

Autoria: Cristine Aoni, especialista em pequenos negócios e analista do Sebrae. Com informações de Fernanda Muraca, da Muraca Marketing Digital e Renan Alves, da Alvo Inovação. 

 

O conteúdo foi útil para você?

  • Sim
  • Não

Enviado com sucesso! Agradecemos sua ajuda.


Compartilhe: