O e-commerce vem crescendo no país. Leia informações necessárias para começar a vender seus produtos pela internet ou melhorar a gestão de seu negócio virtual.

O Sebrae reuniu uma série de informações relevantes para o empresário que pretende abrir um e-commerce ou para quem já tem um e precisa melhorar sua gestão.

São conteúdos sobre o mercado, legislação, inovação, tecnologia, planejamento, logística, venda, meios de pagamento, mídias sociais, design e outras questões importantes.

Um leque completo de informações o aguarda, é só navegar nos menus. 

Panorama do setor

De 2001 a 2015, o faturamento do setor apresentou crescimento acelerado. A tendência é que o mercado continue se ampliando. Ao longo de 2015, foram realizadas compras virtuais por 39,1 milhões de consumidores. Totalizando 106,2 milhões de pedidos. 

De acordo com a E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico, o setor movimentou R$ 28,8 bilhões em 2013 e R$ 35,8 bilhões em 2014, aumento de 24% em relação ao ano anterior. Em 2015, chegou a R$ 41,3 bilhões, crescimento nominal de 15,3%, se comparado a 2014.

É estimado que o comércio eletrônico prospere ainda mais em 2016, com aumento de 8% no faturamento, atingindo um total de R$ 44,6 bilhões.

Número de usuários e valor médio das compras

A nova classe C, que foi fundamental para o crescimento das vendas online nos últimos anos, foi mais atingida pela crise financeira e por isso houve redução na representatividade em relação ao volume de compras online, de 54% em novembro de 2013 para 39% em dezembro de 2015.

Contudo, no decorrer de 2015, houve uma participação mais expressiva de consumidores com alto poder aquisitivo, mais habituados à experiência de compras virtuais, o que gerou o aumento da média de gastos por transação online.

A diminuição de consumidores das classes C foi compensada pelos usuários com maior poder de compra, gerando uma elevação de 12% no tíquete, que chegou ao valor médio de R$ 388, não comprometendo o crescimento do setor.

Por que cresceu?

A maior segurança e confiança no momento da compra, as plataformas de negociação derivadas de novos canais como o social commerce (comércio proveniente de plataformas sociais), reformas governamentais que contribuíram para o incentivo ao e-commerce, aumento do nível de bancarização, além de um maior uso dos meios de pagamentos eletrônicos, como os cartões de crédito, estão entre os fatores que contribuíram para o crescimento do e-commerce no Brasil.

Empresas brasileiras no e-commerce

 Categorias mais vendidas pelas empresas brasileiras no e-commerce em 2015:

  • Moda e acessórios (14%)
  • Eletrodomésticos (13%)
  • Telefonia/celulares (11%)
  • Cosméticos e perfumaria / cuidados pessoais (10%)
  • Livros/ assinaturas e revistas (9%)
  • Casa e decoração (9%)
  • Informática (7%)
  • Eletrônicos (6%)
  • Esporte e lazer (4%)
  • Brinquedos e games (4%)

Destaque para a categoria “Moda e Acessórios” que se manteve na liderança em volume de transações do comércio eletrônico. Devido ao conforto em se comprar artigos de vestuários na internet, além dos investimentos em tecnologias e melhorias na padronização dos produtos pelas empresas.

Muitos empreendimentos estão apostando na disponibilização de tabelas com as medidas das roupas e de tutoriais para a medição certa das partes do corpo, além da criação de provadores virtuais.

Outro ponto forte é o reposicionamento de mercado por meio das redes sociais digitais. Pinterest e Instagram, focadas na imagem, têm se destacado como estratégias para o e-commerce de roupas, sapatos e acessórios.

Oportunidades e desafios

O modelo do e-commerce amplia a atuação e a visibilidade do empreendimento, porém o empresário deve conhecer bem ferramenta a fim de explorá-la adequadamente e aproveitar as vantagens que ele pode gerar, tais como o aumento das vendas e a divulgação de um negócio local para todo o país e até mesmo para o exterior.  

Este canal de vendas com o consumidor possui desafios e oportunidades a serem vencidos pelos empresários: concorrência, segurança na hora de vender os produtos para seus consumidores, criação do site e sua infraestrutura comercial, parcerias na entrega e variedade de produtos online a serem entregues. 

Por isso, é preciso que os empresários estejam atentos a algumas informações importantes.

  • Escolher o nicho de mercado que será atendido;
  • Pesquisar se a concorrência possui canal de vendas online;
  • Saber o que o cliente deseja e se utiliza a internet como ferramenta de compra;
  • Definir o tipo de produto que será comercializado;
  • Conhecer os aspectos legais dos itens que serão vendidos;
  • Analisar os segmentos mais rentáveis no meio virtual;
  • Reduzir custos para ter um produto mais competitivo;
  • Disponibilizar uma entrega ao consumidor segura e rápida.

Loja online

Quando a empresa já tem as decisões sobre o mercado, produtos, concorrência e consumidores, um dos maiores desafios é a criação da loja online – o site que será a vitrine e a comunicação entre a empresa e o consumidor. É interessante que a loja virtual seja eficiente e produtiva.

O site deve conter o máximo de informações sobre a empresa e os produtos, de forma objetiva. Como não possui vendedores, quanto mais informações e imagens sobre o produto, mais fácil o consumidor encontrará o que procura, melhorando a experiência de compra. Descontos especiais, promoções, frete gratuito ou outras recompensas estimulam a compra imediata.

Canais de comunicação

Um dos desafios da abertura da loja virtual é deixar o consumidor satisfeito e sanar o máximo de dúvidas possível. Para isso o empresário precisa investir em conteúdo e possibilitar canais de comunicação diretos entre o comprador e a empresa. Uma das ferramentas utilizadas são as perguntas frequentes, que ficam disponibilizadas no próprio site. Os chats virtuais e os telefones das centrais de atendimentos aos clientes também são canais a serem utilizados.

Divulgação

Após deixar a loja virtual pronta, a empresa precisa divulgar para ficar conhecida e começar a ter visitações e vendas. Algumas formas de divulgar são: inserir a empresa em sites de buscas (Google, Yahoo), e-mails marketing; anúncios em outras páginas, blogs ou banners e também nas redes sociais.

Programa 10 dicas para e-commerce

programa 10 dicas tem uma temporada inteira dedicada ao comércio eletrônico. Foram separadas dicas valiosas para ajudar empreendedores a enfrentar os desafios desse ambiente de comércio e aproveitar as oportunidades.

Em 10 curtos programas semanais, é possível encontrar informações sobre temas fundamentais do e-commerce, como feedback, navegação e mobilidade, além de orientações sobre como proceder para atender as exigências descritas acima.

Neles, os empresários poderão conferir o que fazer no site de seus negócios para facilitar a navegação dos clientes, efetivar as vendas e ampliar o alcance dos negócios.

E-commerce de A a Z

Como vimos acima, fazer um e-commerce dar certo não é tão simples assim. No vídeo abaixo, o especialista Paulo Chacur dá uma aula ferramental para quem quer abrir um comércio digital no Brasil, passando por desafios e oportunidades imprescindíveis para qualquer um.

Fonte: Sebrae Nacional - 27/06/2016