Mon Oct 19 14:20:55 GMT-03:00 2020
Inovação
Energias Renováveis Solar Fotovoltaica - Tendências e Oportunidades
O Brasil é um oceano de oportunidades em energias renováveis e as projeções até 2050 são promissoras para a energia solar e eólica.

A Energia Solar trouxe um novo mercado de oportunidades, que logo foi percebido pela sociedade em geral, consumidor final, empresários, empreendedores e empresários do setor elétrico, o que tornou interessante o resultado de todo esse movimento no mercado trazendo uma nova tecnologia, novas Leis (regulamentações), e mais benefícios que é a eficiência energética que pode gerar para as empresas que são:

  • melhores investimentos no sistema elétrico,
  • redução nos impactos ambientais negativos,
  • estimula modernização do sistema elétrico,
  • promove o desenvolvimento tecnológico e redução de custos e desperdícios, mais beneficio para a sociedade, pois haverá maior disponibilidade de oferta de energia.

E, ainda os benefícios para as empresas: elimina custos e desperdícios, aumenta a produtividade, otimiza o desempenho dos equipamentos, melhora o ambiente de trabalho e aumenta a competividade. E para a sociedade geração de renda e empregos, com postos de trabalho.

A nova demanda de energia devido aos novos hábitos, ascensão de novas classes sociais e o desenvolvimento de novas tecnologias, tem aumentado a necessidade de mais energia e uma maior responsabilidade de conservação e racionalização da eficiência energética. Ter eficiência energética significa usar a energia de forma inteligente para conseguir produzir mais com menor quantidade desse insumo, mantendo a qualidade dos produtos e serviços e garantindo mais conforto. A matriz elétrica do Brasil é de origem predominantemente renovável, com destaque para geração hidráulica, que corresponde a 66,6% da Oferta interna de energia (BEN2019).

O Brasil é um oceano de oportunidades em energias renováveis e as projeções até 2050 são promissoras para a energia solar e eólica, ambas, correspondem por uma fatia de aproximadamente 50% da eletricidade mundial, sendo que os recursos hídricos, nucleares e outros de energia renovável representam 21 %, de acordo com a BNEF.

Nesse sentido os combustíveis fósseis devem cair na geração de energia para 12% até 2050, segundo BNEF. E outras fontes renováveis podem surgir sistemas geotérmicos, células de combustíveis e
dispositivos que extraem energia das ondas e mares dos oceanos, porém ainda não está muito claro se alguma poderia ser implementada em larga escala a custos mais baixos.

São muitas tecnologias de baixa emissão que podem ser desenvolvidas até 2030, parceria importante entre pesquisa e tecnologia nesse processo.

Ainda seguindo as projeções para o ano de 2019 com um salto de 44% na capacidade instalada de energia solar, para uma expansão na chamada geração distribuída — em que placas solares em telhados ou terrenos geram energia para atender à demanda de casas ou de estabelecimentos comerciais e industriais.

Os projetos de geração distribuída (GD) deverão acrescentar 628,5 megawatts (MW) em capacidade solar ao país, um crescimento de 125%, enquanto grandes usinas fotovoltaicas devem somar 383 MW até o final do ano, um avanço de 21%.

A visão antiga de que a Geração Distribuída é cara já não é mais uma realidade, hoje existe diversas linhas de financiamento que torna essa opção acessível e com isso a GD vem ganhando participação no mercado. Com a redução nos custos de equipamentos fotovoltaicos os investimentos em GD podem ser recuperados em um período de três a sete anos.

O Distrito Federal possui excelente potencial de aproveitamento da energia solar por apresentar elevadas taxas de irradiação solar e sua localização está  dentro do cinturão solar no atlas solamétrico.

A maior intensidade ocorre de setembro a novembro, no período de seca, quando a geração hídrica é menor.  Brasília apresenta várias razões para ser impulsionadora da energia solar fotovoltaica, são elas:

  • localização geográfica,
  • centro político-administrativo do país construído sob o signo da modernidade,
  • possui a maior renda per capta  do país,
  • concentra 85% das instalações residenciais e ocupa 16ª posição entre as unidades federativas do país em instalações e por
  • apresentar um palco propício para ser exemplo de inovações,
  • outra vantagem é que o Distrito Federal possui uma média anual de 5,8kwh/m, acima da média nacional, segundo estudos da ONG WWF Brasil, em 2016 e também no mesmo ano o Programa Brasília Solar foi lançado pelo Governo do Distrito Federal como incentivo ao setor no DF.

Com o processo da inserção da energia solar fotovoltaica em Brasília, um novo mercado pode vir a consolidar-se na região abrindo portas para que novas empresas se estabeleçam, preenchendo lacunas na economia brasiliense e gerando novos empregos.

Acesse aqui o artigo completo!

Autor: Cristiane Galvão. Nov/2019.

Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora