ac am rr pa ap ma pi ce rn pb pe al se ba to mt ro ms go df mg es rj sp pr sc rs
  • RSRio Grande do Sul
  • SCSanta Catarina
  • PRParaná
  • SPSão Paulo
  • MSMato Grosso do Sul
  • RJRio de Janeiro
  • ESEspírito Santo
  • MGMinas Gerais
  • GOGoiás
  • DFDistrito Federal
  • BABahia
  • MTMato Grosso
  • RORondônia
  • ACAcre
  • AMAmazonas
  • RRRoraima
  • PAPará
  • APAmapá
  • MAMaranhão
  • TOTocantins
  • SESergipe
  • ALAlagoas
  • PEPernambuco
  • PBParaíba
  • RNRio Grande do Norte
  • CECeará
  • PIPiauí
menu Sebrae

Cursos e Eventos

Cursos e Eventos presenciais

Confira a programação do Sebrae no seu estado e inscreva-se já.

Cursos Online

Matricule-se nos cursos online 100% gratuitos e estude sem sair de casa.

Thu Nov 24 14:44:00 GMT-03:00 2016
Empreendedorismo
A zona de conforto pode ser fatal
Fique atento às mudanças de mercado para inovar e não ficar para trás

Na Psicologia, a zona de conforto é uma condição na qual o indivíduo tem a sensação de segurança, ao mesmo tempo em que evita situações de esforço e estresse. Nos negócios, se reflete em empresas que não promovem mudanças na sua estrutura e na sua oferta por usufruírem de um sucesso momentâneo. 

Toda empresa está inserida num universo que compreende diversos ambientes: cultural, social, político, econômico, legal, tecnológico, etc. Todos esses cenários são interdependentes e estão em constante mudança. Isto quer dizer que a alteração em um afeta os demais. 

Em maior ou menor escala, tais mudanças impactam no ambiente de consumo. Mudanças no ambiente tecnológico, por exemplo, modificaram os hábitos de consumo de filmes, fotografias, transportes, entre tantos outros. As transformações no meio ambiente, por sua vez, provocaram mudanças no comportamento das pessoas, que têm se preocupado, cada vez mais, com o ecossistema e os recursos naturais. Tais comportamentos se refletem num aumento da procura por produtos orgânicos e por empresas com práticas sustentáveis. 

O surgimento da internet e, posteriormente, de aplicativos de troca de mensagens por dados como o WhatsApp causou mudanças na forma como as pessoas se comunicam. O Uber mudou o modelo de negócios de transportes. A popularização dos carros autônomos mudará a forma das pessoas se locomoverem. E a moda dita e continuará pautando como as pessoas se vestem ao longo dos anos.

Os casos da Blockbuster e da Kodak são emblemáticos. Foram líderes e pioneiras nos seus respectivos segmentos. Porém, com a mudança no ambiente tecnológico, surgiram novos produtos e novos concorrentes que exploraram melhor e mais rapidamente essas mudanças. Mais recentemente assistimos ao declínio de grandes empresas de telefonia, afetadas pelo surgimento de plataformas de comunicação por dados que vêm substituindo a comunicação por voz e por mensagens SMS. Sem esquecer dos impactos causados no ambiente legal, que podem criar oportunidades para uns ao mesmo tempo em que criam obstáculos para outros. Exemplo disso são as regulamentações de determinadas atividades.

Como integrante desses ambientes e por eles impactadas, as empresas precisam responder a essas mudanças o mais rápido possível. Uma empresa de sucesso cujo modelo servia para um determinado momento, ajustado em função de determinadas variáveis, torna-se obsoleta ou inadequada, à medida que esse ambiente e essas variáveis não são mais os mesmos. Essa falta de ajuste pode trazer impactos pequenos e imperceptíveis em curto prazo, mas pode tornar a empresa (e a sua oferta) irrelevante mais rápido do que o tempo necessário para se adaptar. Daí a importância de não seguir tendências, mas antecipar-se a elas.

Exemplos de grandes organizações, outrora pioneiras, que se tornaram insignificantes em novos cenários não faltam. Tudo porque elas se acomodaram com um sucesso momentâneo, na crença de que perdurariam por décadas. Essas empresas enxergaram o sucesso como linha de chegada, em vez de encará-lo como um exercício constante e interminável.

Estar na zona de conforto as impediu de permanecerem atentas e de monitorarem as tendências com a obstinação dos novatos. Problemas novos exigem soluções novas. É evidente que essas soluções não são necessariamente providas por novas organizações. Porém, cabe às antigas saírem da zona de conforto e ligarem o radar para rastrear mudanças, riscos e oportunidades, sob pena de desaparecerem. Nesse contexto, os pequenos negócios têm um trunfo: são mais ágeis. Portanto, podem se adaptar mais rápido.

* Por João Paulo Andrade, analista da Unidade de Atendimento Individual do Sebrae/PE

Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora