Thu Sep 10 10:09:46 GMT-03:00 2020
Mercado e Vendas
COVID-19: Impactos e expectativas no setor de Energia Solar
Pesquisa da Greener sobre o mercado de energia solar fotovoltaica demonstra reduções nos investimentos e dificuldades na produção dos equipamentos.

A COVID-19 chegou ao Brasil em fevereiro e seu alastramento, junto às medidas de contenção, afetou a todos os segmentos de mercado.

Os impactos também afetaram o segmento de energia solar fotovoltaica, um setor obteve crescimento exponencial nos últimos anos no Brasil. A possibilidade de reduções nos investimentos e dificuldades na produção dos equipamentos são exemplos das consequências que afetam esse setor.

Com o objetivo de identificar os reais impactos na cadeia de valor, o estudo da Greener, empresa de Pesquisa e Consultoria especializada no setor de energia solar fotovoltaica, traz dados e informações sobre esses negócios. A coleta das informações junto aos envolvidos no setor fotovoltaico nacional ocorreu entre os dias 19 e 24 de março.

A pesquisa contou com a participação de 541 empresas de todas as regiões do Brasil, com forte engajamento dos gestores, que representaram mais de 75% da amostra. Agentes de todos os ramos de atuação participaram da pesquisa, com destaque aos integradores, tanto de pequeno quanto de médio porte.

Segundo dados da pesquisa:

“As informações obtidas pelo questionário demonstram que, no momento, um dos principais impactos para o setor fotovoltaico está relacionado à redução da demanda. [...] Apesar da produção estar sendo retomada, sobretudo na China, possíveis restrições logísticas são os principais fatores de preocupações apontados pelos fabricantes consultados.”

Considerando a energia como serviço essencial e o crescente investimento da sociedade em energias renováveis e geração distribuída, observamos que o segmento de energia solar fotovoltaica foi surpreendido com uma rápida retração na avaliação de projetos, nas contratações e na alta dos preços dos módulos solares e equipamentos pertinentes. 

Vale destacar alguns resultados: 71% dos participantes alegaram já ter perdido um negócio, seja por desistência ou por adiamento; 83% notaram uma redução do número de interessados em adquirir um sistema fotovoltaico; 50% afirmam já terem sido impactados pelo aumento do custo dos equipamentos, consequência da alta cambial pela qual passamos; 70% das empresas já operam em home-office e 19% pretendem implantar o home-office em parte ou na totalidade da equipe; O caixa das empresas é considerado como um dos fatores de maior turbulência.

Leia a pesquisa na íntegra “COVID-19: Mercado Fotovoltaico” >

Foto de Mariana Proença no Unsplash.

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora