Mon Jul 27 11:33:41 GMT-03:00 2020
Mercado e Vendas
Estudo mostra novo comportamento do consumidor diante da pandemia
Pesquisa da Nielsen indica que itens de abastecimento de emergência e suprimentos de saúde são os mais procurados.

O surto causado pelo novo coronavírus traz muitas incertezas e vem impactando o mercado de produtos de consumo em todo o mundo, provocando também uma mudança de hábito nos consumidores, que estão mais cautelosos durante as compras.

Como forma de prevenção, muitas pessoas têm evitando as lojas físicas e estão se voltando cada vez mais para o e-commerce a fim de comprar alimentos, remédios e outros produtos.

Segundo especialistas, as necessidades de consumo não desaparecem e podem até aumentar, mas durante uma pandemia o comportamento do consumidor pode variar segundo as etapas do avanço da doença.

A pesquisa da Nielsen identificou seis etapas em torno das preocupações com o surto de Covid-19:

1. Compras proativas para a saúde

2. Gestão de saúde reativa

3. Preparação da despensa

4. Preparação a vida em distanciamento social

5. Vida restrita

6. Vivendo uma nova normalidade

As etapas mostram sinais de padrão de consumo praticamente ligados a itens de abastecimento de emergência e suprimentos de saúde. Ainda segundo a pesquisa, as mudanças de hábitos que mais se destacaram foram:

  • Crescente interesse por produtos para a manutenção geral da saúde e bem-estar.
  • Priorização de produtos essenciais para a contenção do vírus, saúde e segurança pública.
  • Armazenamento de alimentos e uma vasta gama de produtos de saúde.
  • Aumento das compras online e diminuição das visitas às lojas.
  • Viagens de compras restritas, preocupações com o aumento do preço.
  • Retorno às rotinas diárias, mas com cautela renovada sobre a saúde.

De acordo com a pesquisa, além do aumento do consumo de alimentos, o que não é surpresa, a busca por produtos de higiene como álcool em gel e máscaras cirúrgicas também vem aumentando em todo o mundo.

As vendas de álcool em gel, por exemplo, cresceram 19,5% na semana de 1º de fevereiro, quando o primeiro caso foi confirmado nos Estados Unidos, em comparação com o mesmo período do ano passado. Com a proliferação dos contágios nos Estados Unidos, as vendas do produto aumentaram 85% na semana que começou em 22 de fevereiro em relação ao mesmo período de 2019.

Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora