ac am rr pa ap ma pi ce rn pb pe al se ba to mt ro ms go df mg es rj sp pr sc rs
  • RSRio Grande do Sul
  • SCSanta Catarina
  • PRParaná
  • SPSão Paulo
  • MSMato Grosso do Sul
  • RJRio de Janeiro
  • ESEspírito Santo
  • MGMinas Gerais
  • GOGoiás
  • DFDistrito Federal
  • BABahia
  • MTMato Grosso
  • RORondônia
  • ACAcre
  • AMAmazonas
  • RRRoraima
  • PAPará
  • APAmapá
  • MAMaranhão
  • TOTocantins
  • SESergipe
  • ALAlagoas
  • PEPernambuco
  • PBParaíba
  • RNRio Grande do Norte
  • CECeará
  • PIPiauí
menu Sebrae

Cursos e Eventos

Cursos e eventos do seu estado

Confira a programação do Sebrae no seu estado e inscreva-se já.

Cursos Online

Matricule-se nos cursos online 100% gratuitos e estude sem sair de casa.

Wed Mar 04 09:43:00 GMT-03:00 2020
Empreendedorismo
Como exportar soja pelo Porto de Santana
O texto apresenta o procedimento prático para exportação de soja pelo Porto de Santana.
  • Como exportar
  • Qual o procedimento

Como exportar

Como exportar soja pelo Porto de Santana

O Estado do Amapá nos últimos anos vem sendo promovido como a última fronteira de expansão para o agronegócio no Brasil e sofrendo bastante transformações em sua rotina de atividades produtivas e matriz econômica em função do recebimento de investimentos para ampliação da produção de grãos, em especial a soja, em solo amapaense.

Neste sentido, e como não poderia deixar de ser em uma economia pautada fortemente na exportação de commodities como é a economia brasileira, cabe mencionar que a área plantada atualmente é 19 mil hectares atingindo uma produção de aproximadamente 50 mil toneladas e a cifra de 60 milhões em 2017 movimentados pela cadeia produtiva da soja no Amapá.

Diante deste cenário e a franca expansão do agronegócio de soja aqui, entra em cena o Porto de Santana, que pela proximidade da área de plantio e infraestrutura organizada para recepção da produção, diferente de outras regiões, ganha importância fundamental na redução dos custos relacionados a logística de transporte do grão.

O Porto é gerenciado pela Companhia Docas de Santana, uma empresa de direito privado vinculada a Prefeitura do município que funciona com o CNPJ: 756.826/0001-36 e tem recinto aduaneiro nº. 2.40.15.02-4.

Qual o procedimento

Qual o procedimento para exportar?

  • É necessário o envio de uma carta de intenção para a Companhia Docas de Santana – CDSA com data, carga e quantidade que deverá ser enviada deixando claro seu interesse em armazenar e embarcar a mesma pelo Porto;

  • De posse da Carta e devidamente autorizada, a CDSA realiza a programação da janela de navios e programa também o píer do embarque;

  • Deve ser nomeado pelo dono da carga uma pessoa para realizar as ações em seu nome (responsável legal) junto a CDSA;

  • Deverá ser identificada a empresa responsável pelo transporte até o Porto de Santana;

  • A empresa da logística de transporte até o Porto deverá realizar cadastro com todos os dados da operação afim de resguardar o cumprimento de todos os tramites legais, inclusive tarifação da carga;

  •  O responsável pela carga deverá apresentar todas as licenças e documentos necessários emitidos por órgãos federais, estaduais e municipais com atuação diretamente na carga;

  • A empresa deverá identificar documentalmente todos os veículos envolvidos na operação na área do Porto;
  • Será agendada pela Companhia Docas de Santana, uma data para vistoria dos veículos, a vistoria consiste em observar a situação dos pneus, triangulo, extintor, luzes, lonamento, acessório para evitar derrame da carga (minérios, trigo e arroz), condições estruturais do veículo e documental do mesmo (cópia dos documentos do veículo). Caso o veículo seja reprovado em algum pedido feito pela CDSA, o mesmo terá um prazo para se adequar;

  • Deverá também ser informado os dados de todos os motoristas (caso o transporte seja realizado 24 horas, a CDSA exige que seja apresentado mais de dois motoristas por veículo), deverá ser apresentado a cópia dos documentos dos motoristas para verificação da validade e se ele está apto para conduzir o veículo;

 

A empresa responsável pelo transporte das cargas de grãos de soja deverá apresentar e identificar todas as pessoas envolvidas na operação que seja necessário adentrar e/ou circular na área do Porto de Santana:

  • Apontadores (pessoal responsável por fiscalizar desde o acesso dentro da área da Autoridade Portuária até o local de descarrego, no mínimo 3 pessoas);

  • Balanceiros (2 pessoas trabalhando 24 horas), se tratando de granel sólido (minérios e grãos) o balanceiro deve enviar o relatório das pesagens semanais para o e-mail do Operacional;

  • Outras pessoas que irão acessar o Porto;

  • A partir daí a CDSA reunirá todos os envolvidos na operação para uma reunião de integração, onde eles passam a conhecer todos os processos ambientais, logísticos e de segurança que terão que ser obedecidos durante a operação;   

  • Os dados provenientes dessa etapa são repassados a todas as portarias da CDSA, a partir daí a Guarda Portuária fica responsável pelo acesso dessas pessoas na área;        

  • Ao mesmo tempo o Agente Marítimo entra em contato com a CDSA para repassar informações pertinentes ao navio, essas informações serão respondidas se o navio está de acordo com o calado operacional, tamanho dos píers para poder adentrar a área de operação do Porto e realizar o embarque da soja;

Exemplo: 

NOME: M/V WORD CENTER  BUSINESS

 

  ANO DE FABRICAÇÃO: ANO  2010

  CLASSE:  CLASS B.V.

  COMPRIMENTO: 189.9 M

  LARGURA 32.26 M

  GUINDASTES / GRABS: GEAR/GRAB: 4

  CARGA  ESTIMADA: 47.500 Mt

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois do navio aprovado pela CDSA, o navio passa a está apto a receber a carga e atracar no Porto, quando o navio chega ao fundeio da fazendinha ele passa pela fiscalização dos órgãos anuentes operantes no Porto sem Papel. 

  • Autoridade Sanitária

  • Autoridade Marítima

  • Administração Portuária – Meio Ambiente             

  • Administração Portuária - Provisão             

  • Administração Portuária - Risco                              

  • Administração Portuária – Segurança Portuária

  • Autoridade de Polícia Marítima                  

  • Autoridade Aduaneira                      

  • Autoridade Fitozoossanitária     

 

Após esse procedimento é de responsabilidade do agente marítimo, realizar o pagamento de tarifas inerentes a esse tipo de operação, tais como:

Confome as tabelas -> Docas de Santana

  • TABELA I - Utilização das Instalações de abrigo e acesso do Porto ton. x 1,45;

  • TABELA II - Utilização das Instalações de Acostagem LOA x HORAS ATRACADO x 0,41;

  • TABELA V - Suprimento de Utilidades, Equipamentos portuários e Serviços Diversos TRATOR TIPO AGRÍCOLA PARA REBOQUE DE CARRETAS, POR HORA OU FRAÇÃO R$ 84,56;    

A empresa proprietária da carga de soja, ficará responsável pelo pagamento das seguintes tarifas:

  • TABELA III - Utilização das instalações Terrestres para movimentação de cargas:

  • TIT= ton x 3,14 – granel sólido  ton x 2,78 – carga geral;

  • Tabela V - Suprimento de Utilidades, Equipamentos portuários e Serviços Diversos-Balança Rodoviária Ton x 0,4    

 

O navio só inicia o embarque após o deferimento do Pedido de Embarque realizado pelo dono da carga de soja à Receita Federal do Brasil e devidamente apresentado;   

O Agente marítimo ou o dono da carga são responsáveis pelo envio da documentação para cobrança das operações portuárias (DRAFT SURVEY e STATEMENT);     

O dono da carga nomeia um Operador Portuário (figura criada com a nova lei dos portos), este operador será responsável por toda operação realizada no cais, inclusive os prejuízos causados por ele.

Para mais informações acessar: (http://www.docasdesantana.com.br/index.php/12-informacoes-operacionais/102-auto-generate-from-title);  

Para os grãos de soja, o embarque é realizado por esteira diretamente no porão do navio atracado;     

Existe pela Companhia a exigência para que o Operador Portuário realize a construção de uma barreira de contenção no píer onde o navio será carregado, barreira esta feita em cercado de madeira, sacos de areia e lonas no costado do navio com o píer, na direção dos porões que serão carregados a fim de evitar o derramamento da
soja no rio; 

Este atualmente é o procedimento para envio das toneladas de soja produzidas no Amapá em direção aos mercados mundiais. É importante ressaltar que em função de sua localização geográfica estratégica, o Porto de Santana contribui para a redução dos custos relacionados a exportação da produção agrícola e isso também influencia na evolução do agronegócio e principalmente no maior fluxo de embarques de grãos para o mundo.

Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora