ac am rr pa ap ma pi ce rn pb pe al se ba to mt ro ms go df mg es rj sp pr sc rs
  • RSRio Grande do Sul
  • SCSanta Catarina
  • PRParaná
  • SPSão Paulo
  • MSMato Grosso do Sul
  • RJRio de Janeiro
  • ESEspírito Santo
  • MGMinas Gerais
  • GOGoiás
  • DFDistrito Federal
  • BABahia
  • MTMato Grosso
  • RORondônia
  • ACAcre
  • AMAmazonas
  • RRRoraima
  • PAPará
  • APAmapá
  • MAMaranhão
  • TOTocantins
  • SESergipe
  • ALAlagoas
  • PEPernambuco
  • PBParaíba
  • RNRio Grande do Norte
  • CECeará
  • PIPiauí
menu Sebrae

Cursos e Eventos

Cursos e Eventos presenciais

Confira a programação do Sebrae no seu estado e inscreva-se já.

Cursos Online

Matricule-se nos cursos online 100% gratuitos e estude sem sair de casa.

Mon May 25 11:20:05 GMT-03:00 2020
Empreendedorismo
MEI: Como calcular os custos do meu negócio
O MEI precisa ser criativo, pensar em novas fontes de receita, em como continuar atendendo os clientes e reduzir custos, entre outras ações possíveis.

MEI – Como calcular os custos do meu negócio

Ter lucro nos negócios é o objetivo de todo empreendedor. E lucro, vamos lembrar, é o resultado do faturamento (receitas totais), menos os custos fixos e variáveis. 

Neste período de instabilidade econômica causada pela pandemia do novo coronavírus, o foco principal não deve ser o lucro, mas a sobrevivência do negócio. Para isso, você, MEI, precisa ser criativo, pensar em novas fontes de receita, em como continuar atendendo os clientes, reduzir custos, entre outras ações possíveis. 

Você tem ideia de quais são os custos envolvidos no dia a dia da sua empresa? Saber calcular esses custos é fundamental para qualquer negócio, porque assim você passa a ter em mãos informações que te permitem tomar decisões importantes. É conhecendo seus custos que será possível definir, por exemplo, percentual de desconto, margem de lucro, entre outros. 

Seu sucesso financeiro está diretamente relacionado ao conhecimento do seu negócio. Vamos ver quais são e como calcular esses custos?

1º Passo: conheça profundamente seu negócio para não deixar de lado cuidados essenciais com os custos envolvidos em sua atividade. Este conhecimento é que te ajuda a administrar e controlar os gastos gerados na sua empresa, ou seja, na produção ou no comércio de seus produtos, ou ainda em suas prestações de serviço.

2º Passo: conheça também, de forma detalhada, tudo o que envolve a estrutura de custos do seu negócio. O essencial é saber que todo e qualquer negócio tem, basicamente, dois custos, conhecidos como: custos variáveis e custos fixos. E é preciso entender que conhecê-los faz toda a diferença na gestão eficiente do seu negócio.

De forma objetiva, podemos dizer que os custos variáveis são aqueles que envolvem o produto, mercadoria ou o serviço que você entrega ao seu cliente. O quanto custou para produzir aquele bolo, o quanto pagou na compra da blusa que vai vender ou quantas horas ou minutos gastou para executar aquele serviço. Além dos custos com o produto e o serviço prestado, a taxa de cartão também é um custo variável, pois oscila conforme o aumento ou a redução das vendas.

Todos os demais gastos podem ser tratados como custos fixos, aqueles que existem porque você tem uma empresa, um negócio que gera receita. Mesmo que você não venda nada em um certo período, ainda assim terá que pagá-los. 

MUITO CUIDADO! A maioria das pessoas acredita que custos fixos estão ligados a valores que não se alteram de um mês para o outro. Exemplo: aluguel, folha de pagamento..., mas não é isto! Os valores de alguns custos classificados como fixos alteram sim, de um mês para o outro. Exemplo: conta de energia elétrica, água, consumo de combustível...

Portanto, para entender bem os custos fixos, vão aqui duas regrinhas que podem te ajudar:

1ª - Se o gasto não está ligado ao produto vendido, ele é fixo, independente do valor e de quantas vezes ele aparece na empresa.

2ª - É um gasto que existe não porque ocorreram vendas, mas sim, porque a empresa existe. São também conhecidos como custos fixos operacionais mensais, porque como já dissemos estão ligados à operação, ao dia a dia da empresa.

3º Passo: ao anotar todos os gastos, você consegue identificar o que é desnecessário e o que merece uma atenção especial. Fazer um bom controle dos seus gastos permite que você consiga melhorar o desempenho das finanças da sua empresa.E aqui vai uma dica de ouro: anote tudo o que gasta, principalmente os pagamentos de coisas pessoais. Crie o hábito de anotar todas as entradas e saídas de dinheiro do negócio, separando o que foi gasto com produto (custos variáveis), com o negócio (custos fixos) e pessoais (também fixos - considerados retirada do(a) empresário(a)), bem como todos os recebimentos.

4º Passo: registre essas informações tão logo elas aconteçam. Não é correto fazer anotações de vez em quando ou, em uma semana anota tudo e na outra, nada. É algo que tem que ser feito diariamente, tem que fazer parte da sua rotina à frente do negócio.Lembre-se: anotar todas essas informações requer dedicação e persistência da sua parte. Mas é de extrema importância para administrar adequadamente o seu negócio.

5º Passo: com essas informações, você poderá controlar e analisar o andamento das finanças da sua empresa. Se você investir em controlar seus custos, provavelmente gastará menos e lucrará mais, ou seja, você só tem a ganhar! Para fazer esse levantamento rotineiro, é preciso controlar tudo: não importa o valor, vale anotar tudo o que entra e sai da empresa.Então, fique de olho!De um mês para outro, compare as entradas e saídas de dinheiro e avalie porque elas aconteceram. Busque explicação e justificativa para os seus gastos e se desafie constantemente a reduzir custos e aumentar suas receitas.E questione-se: aquele gasto era realmente necessário ou se poderia ser adiado? O investimento naquela máquina ou naquele equipamento melhorou, de fato, a produtividade da empresa? A estratégia de divulgação refletiu em melhoria nas vendas? Viu só? Se você conhece seus custos, consegue avaliar sua importância e pode tomar a melhor decisão para o seu negócio!

6º Passo: e onde a gente anota tudo isso, quer saber? Escolha a melhor forma para você: seja um sistema, uma planilha ou um caderno mesmo. O importante é usar o recurso que te deixará mais confortável para anotar e analisar essas informações depois. E lembre-se: só anotar não faz diferença, você precisa utilizar esses dados para acertar nas decisões que precisa tomar no dia a dia.

Como cortar custos no seu negócio

Neste momento você, empreendedor, precisa mais do que nunca repensar suas prioridades e recalcular custos. Vale lembrar que os cortes são importantes, mas eles precisam ser bem avaliados e planejados, para não abrir mão de itens essenciais para a sobrevivência do negócio. É fundamental ter calma e procurar manter o foco, não deixando se abalar pela crise.

Separamos algumas dicas para te ajudar a manter a operação do seu negócio durante a crise, fazendo cortes que não vão prejudicar a sua empresa. Vamos lá?

Variedade de produtos

Reavalie seus produtos para entender quais devem ser mantidos e quais não devem ser renovados, por não gerarem receita. Mantenha o que realmente faz uma diferença positiva no seu caixa. Lembre-se de que um estoque variado funciona apenas quando o consumidor tem um poder maior de compra ou quando está mais disposto a conhecer novos produtos, o que não acontece durante uma crise. 

Repense seu relacionamento com os bancos

Avalie se vale a pena ter conta bancária em várias instituições diferentes, afinal todo banco cobra taxas e, na maioria das vezes, elas são despesas que podem ser facilmente cortadas. A sugestão é ter relacionamento com apenas um ou dois bancos, já que isso facilita acompanhar todas as taxas e tarifas cobradas e até mesmo evitar gastos desnecessários.Os bancos que atuam com contas digitais apresentam vantagens como taxas reduzidas ou nulas, além de oferecem atendimentos em diferentes canais. 

Atenção às dívidas

O Governo Federal tomou algumas medidas para ajudar os microempreendedores durante a pandemia. Uma delas foi a prorrogação dos vencimentos das guias do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). As guias com vencimento nos dias 20 de abril, 20 de maio e 22 de junho foram prorrogadas para 20 de outubro, 20 de novembro e 21 de dezembro, respectivamente. A medida permite que você tenha fôlego para ajustar suas contas. Algumas instituições bancárias também aumentaram o prazo para o pagamento de dívidas de empréstimos para os pequenos negócios em dia com as parcelas. Isso significa que você tem um tempo maior para organizar as suas despesas.

Olha só: atitudes simples como essas é que te ajudam a monitorar sua empresa e ter cada vez mais certeza do rumo que pretende seguir. Controle e reavaliação dos seus custos são as palavras de ordem do momento. Siga nossas recomendações e continue contando com o Sebrae.

Compartilhar
Favoritar

    Salvo na lista de favoritos

O conteúdo foi útil para você?

Conteúdo relacionado

Fale com o Sebrae

Converse online, por chat ou email, com os técnicos do Sebrae
para tirar dúvidas e receber orientações sobre o seu negócio.
É gratuito!

Converse agora