this is an h1

this is an h2

Mon Jan 10 15:32:44 BRT 2022
Planejamento | PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
O que é um planejamento estratégico? Entenda!

Estratégia vem do grego stratego, refere-se à arte do general para manobrar tropas e vencer batalhas. Veja, agora, os benefícios da estratégia para sua empresa.

· 10/01/2022 · Atualizado em 10/01/2022
Imagem de destaque do artigo

Na gestão de empresas, poucas palavras são tão comuns quanto planejamento estratégico. É fácil encontrar líderes e especialistas que atribuam o êxito nos negócios a estratégias bem planejadas e implementadas. A questão é: o que é planejamento estratégico?

Antes de explicar seu conceito, vale ressaltar alguns dos seus benefícios. Boas estratégias orientam o trabalho diário, reforçam o posicionamento competitivo da empresa e garantem que os recursos — como tempo, energia e dinheiro — sejam aplicados no que realmente importa. Assim, é algo que gera benefícios à empresa, aos seus donos e aos colaboradores.

Ao longo dos próximos tópicos, ganhamos profundidade no tema. Explicamos exatamente o que é planejamento estratégico, qual sua importância e principais desafios.

Afinal, o que é planejamento estratégico?

Existem tantos conceitos de planejamento estratégico quanto é possível imaginar. Para uma melhor compreensão, explicaremos o que significa “planejamento” e “estratégia” de maneira separada, depois agregaremos tudo em uma única frase. Vamos lá!

Estratégia é um termo que surgiu no contexto de guerra. Como dissemos, ele vem do grego stratego e refere-se à arte do general em manobrar suas tropas. Como executivos gostam de analogias militares e a gestão tem forte influência das guerras, o conceito logo foi empregado nos negócios.

Na prática, não há um consenso sobre o significado de estratégia. Henry Mintzberg, no livro “Safari da Estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico”, apresenta 10 escolas do pensamento estratégico: cada uma com seus próprios conceitos e práticas.

De todo modo, uma das ideias mais relevantes é de estratégia como posição. Ou seja, uma posição que a empresa assume no mercado para se diferenciar da concorrência, conquistar vantagem competitiva e obter a preferência dos clientes. Logo, estratégia é posição.

Se estratégia é um resultado, uma posição; planejamento é um processo. Consiste em um conjunto de passos para construir um plano, isto é, um roteiro. A ideia é que toda estratégia é proveniente de um prévio planejamento, algo que envolve escolhas e alocações.

Assim, planejamento estratégico é o processo de produzir a estratégia. Estratégia, por sua vez, nas palavras de Richard Luecke, professor de Harvard, “é um plano que objetiva dar à empresa uma vantagem competitiva sobre os rivais por meio da diferenciação”.

Qual a importância do planejamento estratégico?

Um planejamento estratégico bem conduzido pode resultar em uma estratégica única e de grande valor à empresa. Por sua vez, se essa estratégia for bem executada, a organização pode alcançar resultados extraordinários. Portanto, os benefícios são reflexo do planejamento e da execução bem-sucedidos. Quais benefícios são esses? Confira, nos tópicos seguintes.

Melhor posicionamento competitivo

Quase todo mercado é altamente saturado. Isto é, repleto de competidores. Mesmo que não seja, se oferecer ótimas possibilidades de ganho, rapidamente atrairá executivos ávidos por lucro. Por isso, é importante que uma empresa saiba se posicionar para ser única.

Um posicionamento competitivo nada mais é do que uma posição para se destacar da concorrência, tornando-se singular no mercado. Essa posição pode ser de diferenciação em preço, qualidade, inovação ou qualquer outro aspecto que gere valor aos clientes finais.

Na prática, o planejamento estratégico aperfeiçoa o posicionamento porque fornece uma análise do segmento no qual a empresa atua e das suas respectivas forças competitivas, por exemplo, concorrentes diretos, novos entrantes e poder de barganha dos fornecedores.

Construção de objetivos mais claros

O planejamento de uma empresa costuma ser dividido em três níveis: operacional, tático e estratégico. O operacional está relacionado ao trabalho diário. Logo, é algo de curto prazo. O tático está ligado às rotinas gerenciais, algo de médio prazo. E o estratégico?

O planejamento estratégico lida com o longo prazo, um horizonte de 5 ou até mais anos (vale destacar que horizontes muito longos, como de 10 anos, podem ser contraproducentes, em vista das mudanças profundas e ágeis que estamos vivendo).

Na medida em que a empresa não conta com um objetivo de longo prazo, todo o trabalho é prejudicado. Os movimentos, como lançamento de novos produtos ou aquisição de outros negócios, podem não ter conexão e destruir valor, afetando toda a organização.

Foco no que realmente importa à empresa

Lidar com negócios é algo complexo. Existem muitos recursos que devem ser gerenciados, além de variáveis externas que devem ser consideradas. Nesse contexto, é fácil perder o foco do que realmente importa — por consequência, gastar recursos com coisas triviais.

O planejamento estratégico estimula gestores a responder uma importante questão: o que realmente importa para minha empresa? Aqui, vale destacar que as empresas não podem obter tudo ao mesmo tempo. É preciso fazer escolhas, definir prioridades ao trabalho.

Para algumas empresas, o que realmente importa são clientes satisfeitos, boas margens e perenidade nas receitas. Para outras, vale mais inovação, crescimento contínuo e gestão dos riscos. O planejamento estratégico distingue o que é relevante de todo o trivial.

Maximização dos resultados e lucro

O sucesso de uma empresa pode ser medido de muitas formas. Por exemplo, pelo número de clientes ativos, pela participação de mercado dos produtos ou pelo volume de vendas em determinado período, assim como pelos lucros (resultado líquido) obtido.

A formulação de boas estratégias ajuda a melhorar todas essas medidas de sucesso. Assim, contribui para a construção de negócios mais saudáveis, rentáveis e atraentes, seja aos investidores ou outros stakeholders A falta de uma estratégia pode gerar efeito oposto.

Na atualidade, a mensuração dos resultados costuma ser dividida em 4 níveis, chamados de: perspectiva financeira; perspectiva dos clientes; perspectivas de processos internos; e aprendizado e crescimento. Assim, gera-se uma estratégia mais balanceada e sustentável.

Alinhamento das equipes de trabalho

Uma equipe desalinhada pode ser comparada a um bando de pássaros voando em direções opostas. Inevitavelmente, existirão colisões no ar. Por outro lado, equipes bem alinhadas são como pássaros voando em “V”: existe mais clareza, precisão e segurança.

Uma estratégia bem formulada (e comunicada) ajuda todo o time a entender o que deve ser feito e como isso está conectado com o longo prazo. Também fornece métricas nos quais todos podem focar, garantindo que seu trabalho diário seja mais bem orientado.

O alinhamento pode ser ainda mais útil quando consideramos algo chamado de sinergia — quando o todo é superior à soma das partes. Profissionais bem alinhados trabalham tão bem juntos que conquistam resultados superiores à soma das suas habilidades individuas.

Desenvolvimento de vantagens competitivas

Livros, aulas e palestras sobre estratégia costumam focar em algo chamado de vantagem competitiva. Você já deve ter ouvido falar, não é mesmo?! Grosso modo, refere-se a algo que coloca sua empresa um passo à frente da concorrência, gerando certo destaque.

Existem muitas vantagens competitivas. Por exemplo, clientes fiéis à marca, produtos bem avaliados no mercado, margens superiores à concorrência e equipes brilhantes. Quanto maior a vantagem competitiva da sua empresa em relação à concorrência, melhor.

Neste aspecto, boas estratégias ajudam em duas pontas: primeiro, promovem maior foco nas suas vantagens, permitindo “lapidá-las”. Depois, estimulam a utilização das suas vantagens, alocando-as para o alcance de resultados ainda mais interessantes.

Quais os desafios do não planejamento?

Como pôde notar, o planejamento estratégico pode ser associado a muitos benefícios — em última análise, promove negócios mais prósperos e bem-sucedidos. Todavia, a ausência da estratégia pode implicar coisas negativas, como orçamentos mal construídos ou ação reativa às mudanças. Isso coloca a empresa em rota de fracasso. Veja mais, a seguir.

Atuação reativa às mudanças

Nenhum plano estratégico é perfeito e, com frequência, demanda revisões e ajustes. Porém, ele ajuda a empresa a atuar de maneira ativa, construindo seu próprio futuro e liderando as mudanças. A ausência do planejamento gera uma posição mais reativa.

Atuar de maneira reativa é o mesmo que esperar algo para depois agir. Por exemplo, um negócio pode primeiro esperar as mudanças do seu setor para somente depois definir o que será ajustado internamente. Isso pode custar caro, tornando o negócio obsoleto.

Construção de orçamentos precários

De tempos em tempos, empresas precisam definir o orçamento de atuação. Esse orçamento diz quanto (R$) será investido, onde e por qual razão; também define as fontes de recursos. Assim, melhora tanto a captação quanto a alocação de recursos financeiros.

O ponto é que, na medida em que a empresa não tem um plano estratégico, torna-se mais difícil definir os próximos passos e, por consequência, delimitar os recursos financeiros necessários. Assim, o orçamento é prejudicado e pode ser até impossibilitado.

Baixa orientação para resultados

Outro desafio que merece ser destacado é a baixa orientação para resultados. Quando a liderança não estabelece suas prioridades, não consegue comunicar o que realmente importa ao time. Também não consegue definir metas e indicadores de desempenho.

Assim, cria-se uma atuação pouco orientada para resultados. Todos continuam atuando, mas sem saber exatamente quais números devem ser alcançados e por qual razão. Isso tem uma série de efeitos negativos, inclusive na redução do comprometimento das equipes.

Veja, agora você está por dentro do assunto. Sabe o que é planejamento estratégico, qual a sua importância e quais os problemas de não estar preparado. Um bom planejamento conta com diferentes etapas, como análises internas e externas, além de decisões acerca do que é prioritário à empresa. Então, aproveite para colocar a mão na massa e definir sua estratégia.

Gostou do nosso artigo, não é mesmo?! Então aproveite para aprender muito mais sobre estratégia, gestão de empresas e liderança. É bem fácil, basta seguir nossas redes sociais e acompanhar nossas novidades — estamos no LinkedIn, no Instagram e no Facebook.


O conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado!

Foi um prazer te ajudar :)

Precisa de ajuda?

Nós temos especialistas prontos para atender você e o seu negócio de forma online e gratuita.

Acesse agora